Países iberoamericanos poderão ter organismo comum para combate ao crime internacional

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de março de 2012 as 13:18, por: cdb

Gilberto Costa
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A próxima reunião de Cúpula das Américas, em 14 e 15 de abril, em Cartagena, na Colômbia, poderá tratar da criação de um organismo internacional para elaboração de políticas de enfrentamento ao crime. A presidenta Dilma Rousseff participará da cúpula.

A ideia de criar um organismo, proposta pelo México, foi tratada na reunião da comissão delegada da XVII Conferência de Ministros da Justiça de Países Iberoamericanos (Comjib), da qual fazem parte Brasil, Argentina, El Salvador, Panamá e Uruguai. A reunião preparatória está sendo realizada hoje (23) no Rio de Janeiro.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, defende a articulação institucional dos países para enfrentamento do crime. “Hoje, nenhum problema de segurança se restringe dentro das fronteiras”, disse em entrevista à Agência Brasil. Na reunião, Cardozo apresentou as políticas brasileiras para acesso à Justiça, o Programa Nacional de Apoio ao Sistema Prisional, o Programa Crack e o Plano Estratégico de Fronteiras.

Segundo o ministro, houve interesse dos colegas iberoamericanos por iniciativas brasileiras como a redução do tempo de julgamento de processos; ações de prevenção ao homicídio e técnicas de construção de presídios. Além do Brasil e do México, participam da reunião a Argentina, o Chile, El Salvador, Espanha, Panamá e o Uruguai.

A Conferência de Ministros da Justiça de Países Iberoamericanos ocorre a cada dois anos com representantes dos ministérios de 19 países da América Latina e Caribe, além de Espanha e Portugal.

Edição: Fernando Fraga