Pais se desesperam sem notícias da filha que sumiu junto com o namorado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de novembro de 2003 as 21:34, por: cdb

Sem qualquer pistas da filha, de 16 anos, que desapareceu junto com o namorado, o empresário Ari Friedenbach mandou imprimir milhares de panfletos com a foto dela e distribuiu na região de Embu-Guaçu e Juquitiba, perto de São Paulo. Esta é mais uma esperança na busca que já dura cinco dias.

No meio do mato,  Friedenbach acompanha os policiais à procura de Liana e do namorado, Filipe Silva Café, de 19 anos. Cães farejadores, localizadores por satélite. Mas os policiais não encontram respostas para o mistério no sítio abandonado onde o casal estava acampando.

Eles sabem o mesmo que na segunda-feira, quando chegaram ao sítio e encontraram a barraca, armada sob um caramanchão, as mochilas com as roupas e o telefone celular da menina.

Não há sinais de que eles entraram no mato. O caseiro de um sítio vizinho disse à polícia que na madrugada de domingo ouviu gritos de um homem pedindo socorro.

– Sequestro pode ser uma das possibilidades, pode ser um desaparecimento voluntário. Como não existe nada de concreto, temos que trabalhar com um leque aberto – explica o delegado Paulo Koch.

A mãe procura explicações. A filha mentiu quando saiu de casa na sexta-feira – disse que ia para a praia com amigas. Só no domingo, quando Liana não apareceu na hora marcada, os pais descobriram que ela tinha ido para o sítio com Filipe, com quem namorava há um mês. Lendo as cartas que ele escreveu pra Liana, a angústia da mãe só aumenta.

“Você não parece a menininha insegura como era quando nos conhecemos. Vejo uma mulher decidida, que sabe bem o que quer. Qualquer decisão que você tomar eu serei o primeiro a te auxiliar”, dizia a carta.

– Eu não sei que decisão seria essa. Não sei. Poderia ser de fugir. Mas é aparentemente estranho, porque ela deixou coisas para eu comprar quando ela chegasse – diz a mãe de Liana, Márcia Friedenbach.

O pai não vê razões para que os dois fugissem. O namoro não era proibido.E ele joga as esperanças na hipótese de uma aventura que não deu certo.

– A gente quer eles aqui, de braços abertos, tanto o Filipe quanto a Liana. Não precisa ter receio se deu alguma coisa errada, volta pra gente. É só o que as famílias querem – pede o pai.