Painel criado por Kofi Annan revisa o papel da ONU no século XXI

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 5 de novembro de 2003 as 03:37, por: cdb

O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, anunciou na última terça-feira a criação de um painel de 16 personalidades que revisará o papel da ONU diante das novas realidades geopolíticas do século XXI.

Sacudida pelo fracasso na busca de um consenso sobre a guerra no Iraque, a ONU enfrenta o desafio de provar que a ordem multilateral de segurança estabelecida após a II Guerra Mundial ainda tem relevância.

O painel, que fará recomendações a Annan, será presidido pelo ex-primeiro-ministro da Tailândia Anand Panyarachun, e inclui vários políticos de destaque de todo o mundo.

– O ano que passou sacudiu os fundamentos da segurança coletiva e minou a confiança na possibilidade de respostas a nossos problemas e desafios comuns – disse Annan.

– Também destacou as profundas divergências sobre a magnitude e a natureza dos desafios que enfrentamos – disse Annan, que não escondeu sua oposição à guerra no Iraque, liderada pelos Estados Unidos para derrubar Saddam Hussein.

Além de Panyarachun, o painel terá a participação do ex-premier russo Yevgeny Primakov, do secretário-geral da Liga Árabe, Amr Mussa, do ex-premier da Noruega Gro Harlem Brundtland e do ex-chanceler chinês Quian Qichen.

Brent Scowcroft, conselheiro de Segurança Nacional do ex-presidente George Bush, também integrará o painel, junto a Sadako Ogata, ex-alta comissária da ONU para refugiados.

– O objetivo do painel de alto nível é recomendar medidas claras e práticas para assegurar uma ação coletiva. O trabalho do painel está relacionado ao campo da paz e da segurança, na forma mais ampla – disse Annan.

A questão da segurança tomou uma amarga relevância para a ONU desde 19 de agosto, quando um atentado terrorista contra o prédio da organização em Bagdá matou 22 pessoas, incluindo o chefe da missão das Nações Unidas no Iraque, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello.

Um relatório independente apontou falhas no próprio esquema de segurança da ONU no Iraque antes do ataque.