Otan deve assumir comando das forças de coalizão neste fim de semana

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 25 de março de 2011 as 05:05, por: cdb

Da BBC Brasil

Brasília – O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, anunciou ontem (24) que a aliança vai assumir o controle da ofensiva militar internacional na Líbia. A mudança do comando pode ocorrer neste fim de semana. Desde sábado (19), as forças da coalizão internacional – lideradas pelos Estados Unidos, a França e Grã-Bretanha – atacam a Líbia sob o argumento de manter a zona aérea de exclusão na região.

Segundo Rasmussen, os 28 países que integram a organização concordaram em agir para frear os ataques contra opositores pelas forças do governo do presidente líbio, Muammar Khadafi. Antes de a decisão ser adotada, o primeiro-ministro da Turquia,  Ahmet Davutoglu, manifestou cautela em relação ao comando da Otan.

Segundo Davutoglu, o acordo foi fechado após uma teleconferência entre ele e a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, e os chanceleres da Grã-Bretanha, William Hague, e da  França, Alain Juppé.

“Todas as partes envolvidas expressaram suas preocupações, mas tivemos uma discussão muito eficiente e negociamos para minimizar esses temores”, afirmou o primeiro-ministro turco.

O novo acordo permitirá que as forças da Otan coordenem os diferentes elementos da operação – o embargo a armas, a zona de exclusão aérea e a ação militar para proteger os civis. Segundo especialistas, a estrutura será semelhante à que opera no Afeganistão.

Ontem, o chanceler britânico, William Hague, disse que seu governo continua em contato com rebeldes líbios para que iniciem os preparativos de um processo de transição de poder. Ele afirmou que as negociações estão sendo feitas com o Conselho Nacional Interino, baseado na cidade de Benghazi.

Internacionalcoalizãolíbiaotan» Leia também:

Chanceler turco confirma que Otan assumirá o comando da coalizão na Líbia

Cruz Vermelha se queixa das dificuldades para ajudar vítimas do conflito na Líbia

Destruição militar da Líbia ocorrerá em dias ou semanas, diz chanceler francês