Oposição compara Waldomiro a PC Farias

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 27 de março de 2004 as 09:41, por: cdb

O senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT) comparou nesta sexta-feira o escândalo Waldomiro Diniz com o caso PC Farias. Para o senador, diferentemente do ex-assessor para Assuntos Parlamentares da Casa Civil, o caixa de campanha do ex-presidente Fernando Collor, Paulo César Farias, o PC, não havia morado com Collor e não habitava um dos andares do Planalto.

Antero Paes de Barros disse que considera o caso que envolve Waldomiro “infinitamente mais grave” que o episódio que envolveu PC Farias e levou ao impeachment de Collor. Ele lembrou que, em diversas ocasiões, Waldomiro foi escolhido pessoalmente por José Dirceu, em nome do PT, para trabalhar junto ao poder, como no governo do Rio de Janeiro, por exemplo, mesmo sem se tratar de um nome nacional.

– Não é possível que não se instale a CPI. Governo pode até, com sua maioria, criar dificuldades, atropelando inclusive a Constituição. Mas não recuperará a credibilidade. Só havia uma atitude digna a ser tomada por José Dirceu: pedir para sair, pôr tudo em pratos limpos e mostrar que não tinha nada a ver com isso – declarou Antero.

Ele lembrou que já no dia 13 de fevereiro havia apontado a necessidade de afastamento de Dirceu, pois, a cada dia, o governo ficaria com menos autoridade. “É preciso que o ministro entenda que não tem mandato. Se tivesse apreço pelo país já teria pedido para sair. O ministro pode até ser honesto, mas não age como uma pessoa honesta”, disse Antero.

O senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) registrou que José Dirceu nunca chegou a declarar sequer uma palavra de indignação com relação à atuação de Waldomiro. Ele anunciou que Luís Carlos Toffoli, assessor da Casa Civil para assuntos jurídicos, mesmo no governo e responsável por reunir os nomes das indicações de ministros de tribunais superiores, continua advogando, com mais de 200 causas nos mesmos tribunais. “O escândalo Waldomiro Diniz é gravíssimo mas não é o maior desse governo”, ressaltou.

O senador José Jorge (PFL-PE), acompanhado pelo senador Heráclito Fortes (PFL-PI), lamentou que não houvesse a presença de um senador sequer para defender o governo em plenário na manhã desta sexta-feira.