Oposição articula CPI para investigar MST

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 3 de julho de 2003 as 10:45, por: cdb

Enquanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebia o MST e governistas se ocupavam com o episódio Heloísa Helena, a oposição no Senado articulava a criação da CPI dos sem-terra.

O líder do PSDB na Casa, senador Arthur Virgílio (AM), apresentou na quarta-feira o pedido de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as constantes invasões de terras pelo MST.

Virgílio passou o dia coletando apoios à CPI e à noite já tinha 34 assinaturas, sete além do mínimo exigido para um requerimento de criação da CPI.

A expectativa é que o pedido de criação da CPI do MST seja lido ainda nesta quinta-feira no plenário do Senado. O governo deve, no entanto, tentar abafar a instalação da Comissão ao não indicar seus membros.

Na quarta-feira, Lula recebeu coordenadores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra no Palácio do Planalto e colocou um boné do MST.

Enquanto isso, continuavam em várias regiões do país as invasões de terras por famílias de agricultores. A atitude do presidente foi duramente criticada pela oposição no Congresso Nacional.

Na Câmara, o líder do PFL, José Carlos Aleluia (BA), subiu à tribuna para censurar o gesto do presidente. Segundo ele, Lula agiu como “um presidente do MST” ao colocar o boné do movimento.

O PFL está liderando uma coleta de assinaturas para conseguir instalar a CPI do MST também na Câmara. São necessárias 171 assinaturas de deputados.

A defesa do governo coube ao líder do PT na Casa, deputado Nelson Pellegrino (BA). Enquanto ele discursava, parlamentares petistas levantaram uma bandeira do MST em apoio à atitude do presidente.