Operação Rio Nilo já prendeu 51 no Amazonas, SP e Bahia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007 as 17:41, por: cdb

Até o início da tarde desta sexta-feira a Polícia Federal já tinha detido, na Operação Rio Nilo, 51 pessoas envolvidas com a quadrilha especializada em fraudes fiscais para obtenção ilegal de benefícios oferecidos às empresas da Zona Franca de Manaus.

Desde quinta, 37 foram presas no Amazonas; 13 em São Paulo e uma na Bahia. Entre eles estão 22 servidores públicos. Além das prisões, foram apreendidos documentos e R$ 25,5 mil em ações nas cidades de São Paulo, Barueri, Jacareí, São José dos Campos, Campinas e Indaiatuba.

Para desmontar a quadrilha foram mobilizados 330 homens da Polícia Federal, da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e das áreas de recolhimento fiscal estadual e federal de São Paulo e do Amazonas.

O processo investigativo começou em novembro de 2004 após uma auditoria encomendada pela Suframa ter descoberta fraudes nas operações. As ações ilegais vinham ocorrendo há pelo menos cinco anos, segundo o órgão.

Segundo a assessoria de imprensa da Suframa, nenhuma das mais de 500 empresas do pólo industrial da Zona Franca de Manaus teve qualquer participação nas fraudes, que teriam sido cometidas por comerciantes que abriram empresas de fachadas e simulavam compra e venda de mercadorias com a participação de servidores públicos tanto da Suframa quanto das Secretarias Estaduais da Fazenda de São Paulo e do Amazonas.

A fraude consistia em obter vantagens em créditos acumulados do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) e dos benefícios fiscais do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) e Imposto Sobre Importação (II).

De acordo com a Secretaria Estadual da Fazenda de São Paulo, só o fisco paulista teve prejuízos avaliados em R$ 25,7 milhões.