Operação Pandora fecha o cerco à “Liga da Justiça”, milícia da Zona Oeste do Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de setembro de 2011 as 11:48, por: cdb

A Polícia Civil realizou nesta quinta-feira, desde a madrugada, operação na Zona Oeste do Rio de Janeiro que visava desarticular a “Liga da Justiça”, uma das mais perigosas milícias da cidade, de acordo com a Delegacia de Repressão às Ações do Crime Organizado (Draco). Até as 9h30, os 150 policiais envolvidos na missão, batizada de Operação Pandora, já haviam prendido nove pessoas, apreendido um carro, armas, e expedido 18 mandados de prisão preventiva. Foram encontradas evidências da ação do grupo como quadrilha, tais como R$ 45 mil em espécie, cheques, uma máquina de contar cédulas e documentos relativos a máquinas caça-níqueis e ao serviço de segurança clandestina.

milícia
Os irmãos Natalino e Jerônimo Guimarães, criadores da "Liga da Justiça", milícia da Zona Oeste do Rio, presos em 2008. Operação Pandora foi realizada nesta quinta-feira pela Polícia Civil para desarticular o bando

A milícia, criada pelos irmãos Natalino e Jerônimo Guimarães, ex deputado estadual e vereador, respectivamente, atua sobretudo nos bairros de Campo Grande, Cosmos, Inhoaíba, Santíssimo, Paciência e Sepetiba. Nessas localidades, ela tem domínio sobre diversos serviços, como o transporte através de vans e mototáxis, a venda de botijões de gás e água a preços superfaturados e até mesmo cobrança para realização de segurança clandestina. Para impor seu poderio, o bando amedronta e aterroriza a população, cometendo homicídios, espancamentos, seqüestros e ameaças.

Além dos mandados de prisão preventiva, a Operação Pandora, conduzida pela Draco e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), cumpriu mandados de busca e apreensão em 30 endereços. Entre eles estava o de Toni Angelo Souza de Aguiar, o “Erótico”, provável líder da milícia, que está foragido.