ONU quer ajuda internacional para deter avanço da Aids na Ásia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de março de 2004 as 04:51, por: cdb

A responsável pelo programa das Nações Unidas contra a Aids na Ásia, Nafis Sayik, pediu à comunidade internacional maiores esforços para deter o avanço da doença no continente e ‘evitar uma crise similar à da África’, informou na última quinta-feira uma nota oficial do governo chinês.

Em um discurso pronunciado nesta quinta-feira em Pequim, Sayik advertiu que a doença está se estendendo desde os grupos de alto risco até o resto da população e informou que no último ano o número de doentes de Aids aumentou em um milhão, um crescimento de 15%.

Sayik destacou ainda que a incidência da enfermidade é relativamente baixa na Ásia comparada com os casos da África (7,4 milhões de doentes, frente aos 26,6 milhões do continente africano). A região é desde 2003 a segunda mais afetada pela Aids.

Além do mais, advertiu que a densa e elevada população da Ásia, onde vivem 60% da humanidade, ‘é um fator de risco que poderia ter como conseqüência um alto número de infecções no futuro’.

Um dos países com um crescimento mais rápido da doença é a China, país que segundo um relatório da ONU divulgado na quinta-feira, ‘está melhorando seu trabalho de conscientização social sobre a doença, mas ainda deve haver maiores esforços de prevenção’.

O relatório prevê que a incidência do mal na China vai aumentar até o ano de 2015, mesmo que as ações do governo de Pequim consigam conter a rápida propagação da doença e reduzam a discriminação que sofrem os portadores do vírus HIV e doentes com Aids no país.