ONU pretende testar intenções iraquianas sobre inspeções de armas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 10 de novembro de 2002 as 23:48, por: cdb

Os inspetores da ONU planejam testar imediatamente as intenções de Hussein ao demandarem uma ampla lista de instalações militares que o Iraque possui e, ainda, checando se a lista iraquiana é similar à descrição de 100 instalações bélicas prioritárias que já foi apresentada por especialistas ocidentais. As informações foram confirmadas pelo governo Bush e por autoridades da ONU.

As autoridades afirmam que sua lista foi reunida nos últimos meses, separadas na nos arquivos da ONU, que descrevem mais de 800 instalações. Essa lista abreviada foi compilada com base nas constatações das inspeções anteriormente realizadas e dos dados mais recentes da inteligência, que foram fornecidos por desertores e outras fontes.

Revigorados pela aprovação de uma dura resolução do Conselho de Segurança – que obriga o Iraque a se curvar a um novo regime de inspeções – os representantes da ONU devem chegar ao Iraque em 18 de novembro. Uma semana depois, os primeiros inspetores devem chegar e iniciar seu trabalho.

Um artigo da resolução afirma que qualquer “declaração falsa ou omissão” relacionada às instalações bélicas constituiria uma “violação material pelo Iraque de suas obrigações”.

Muitos especialistas afirmam que Saddam deve desafiar os inspetores. Mas a preocupação do governo americano consiste em assegurar que qualquer violação pelos iraquianos seja incontestável. Somente então o governo convenceria a ONU, seus aliados e os americanos que uma guerra é necessária.

Muitos representantes do governo americano afirmam que prefeririam um ousado desafio de Saddam, ao invés de vê-lo inclinado a cooperar, atrasando os trabalhos e confundindo as táticas. Com isso, Saddam buscaria minimizar o apoio ocidental para a guerra.

A velocidade é vital, afirmam os militares, pois os meses mais frios do inverno (no hemisfério norte), que se encerram em fevereiro ou março, são o momento ideal para um ataque contra o Iraque.