ONU pede que ex-vice de Saddam não seja executado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 9 de fevereiro de 2007 as 11:15, por: cdb

A alta comissária das Nações Unidas para Direitos Humanos, Louise Arbour, apresentou pedido à Suprema Corte do Iraque para que o ex-vice presidente do país, Taha Yassin Ramadan, condenado por crimes contra a humanidade, não seja executado.
Arbour disse que a execução é uma violação da Convenção Internacional para Direitos Civis e Políticos, da qual o Iraque é signatário.

O tratado estipula que execuções só podem ser realizadas se o julgamento atende aos padrões internacionais.

Ramadan foi condenado a prisão perpétua no ano passado por seu papel na morte de 148 xiitas em Dujail, em 1982, depois de uma tentativa de assassinato frustrada de Saddam Hussein.

Mas o Tribunal de Apelações disse que a sentença era muito leniente e recomendou a pena de morte.

A Suprema Corte está decidindo se a pena capital deve ser aplicada no caso de Ramadan.

A Organização das Nações Unidas (ONU) condenou anteriormente as execuções por enforcamento do meio-irmão de Saddam Hussein, Barzan Ibrahim al-Tikriti, e do ex-chefe da Corte Revolucionária do Iraque, Awad Hamad al-Bandar, no dia 15 de janeiro.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, havia apoiado apelo feito em janeiro por Arbour para que ambos não fossem executados.

Arbour havia manifestando também preocupação em relação à imparcialidade do julgamento que condenou ambos e o ex-presidente iraquiano Saddam Hussein, à morte. O ex-líder do país foi enforcado em dezembro.