ONU faz apelo e pede investigação em Kinshasa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de abril de 2004 as 02:25, por: cdb

O Conselho de Segurança da ONU fez na última quarta-feira um apelo para que se investiguem ‘de maneira rápida e transparente’ os ataques armados registrados no último domingo em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo (RDC).

– O Conselho expressa sua preocupação em relação aos graves incidentes do dia 28 de março e chama a todas as partes a não colocar em perigo a transição – assinala o principal órgão de decisão da ONU em uma declaração presidencial.

A declaração foi lida depois de uma reunião na qual se analisou a situação no país africano e na qual interveio o subsecretário geral para operações de manutenção da paz, Jean-Marie Guehenno.

O funcionário da ONU fez um apelo à autoridade provisória do país a que acelere o processo de reforma das forças armadas, de desarmamento dos guerrilheiros e de tomada de controle no país.

– Necessitamos passar do compromisso político a ação – disse Guehenno depois de reunir-se com os membros do Conselho de Segurança a portas fechadas.

No último domingo uma série de ataques armados foram lançados contra lugares estratégicos de Kinshasa, no que foi qualificado como uma tentativa golpista. Os grupos armados atacaram, sem conseguir assumir o controle, a sede de uma emissora privada de televisão e várias bases militares, nas quais pelo menos um soldado morreu e dois ficaram feridos.

O governo de transição da RDC, liderado por Joseph Kabila, está apoiado por uma missão da ONU que dispõe de cerca de 12,5 mil pessoas, das quais 10,9 mil são militares.

Kabila culpou pelos ataques as forças leais de Mobutu Sese Seko, o ditador que foi derrocado em 1997 por Laurent Desiré Kabila, pai do atual presidente.