ONU diz que só recebeu 10% da ajuda às vítimas do tsunami

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de janeiro de 2005 as 18:56, por: cdb

O coordenador da campanha de auxílio da ONU às vítimas do tsunami na Ásia, Jan Egeland, disse que a organização só recebeu até agora 10% do dinheiro prometido à ajuda das vítimas do tsunami e à reconstrução das áreas afetadas pela devastação.

Segundo ele, os países doadores ofereceram um total de US$ 3,4 bilhões para a reconstrução e ações de emergência.

Apesar da lentidão na liberação dos recursos, Egeland pintou um quadro otimista na abertura de uma reunião de doadores em Genebra nesta terça-feira.

Ele afirmou que a fome e as epidemias esperadas nos países atingidos pelo maremoto não aconteceram nas proporções que as autoridades esperavam.

Segundo Egeland, a comunidade internacional conseguiu levar ajuda humanitária aos desabrigados de forma muito mais rápida do que se imaginava.

Auditoria

A ONU anunciou que vai usar uma empresa de auditoria para impedir corrupção ou gastos desnecessários com o dinheiro arrecadado para as vítimas do tsunami na Ásia.

A PricewaterhouseCoopers, empresa contratada para o serviço, promete estabelecer um sistema de controle financeiro para melhorar a transparência e monitorar qualquer abuso com os fundos arrecadados.

As autoridades da ONU disseram que confiam nos mecanismos de controle já existentes, mas disseram que uma auditoria externa deve melhorar a sua capacidade de gastar o dinheiro de forma adequada.

A decisão da ONU de usar uma auditoria externa ocorre depois que se descobriu uma malversação de milhões de dólares em seu programa de Petróleo por Comida no Iraque.

Uma das maiores preucupações da ONU é assegurar que o dinheiro prometido chegue às pessoas que precisam nas regiões afetadas pelo maremoto.

A ONU também alertou os países doadores sobre a necessidade de continuarem a contribuir com outras causas.

Os representantes presentes à reunião devem receber uma lista de outras 14 regiões críticas no mundo, entre elas Darfur, no Sudão, e Chechênia, na Rússia.

A conferência em Genebra acontece cinco dias depois da conferência de Jacarta, na Indonésia, em que o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, pediu a doação imediata de US$ 977 milhões para atender as maiores necessidades das vítimas.

Muitos países ainda estão aumentando a quantia a ser doada. No domingo, o Canadá aumentou sua ajuda de US$ 66 milhões para US$ 350 milhões.