ONU culpa poluição desenfreada por catástrofes climáticas no mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de outubro de 2002 as 18:49, por: cdb

O Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas (Unep, na sigla em inglês) revelou nesta segunda-feira que as mudanças climáticas, que vêm dando origem a um número cada vez maior de desastres naturais no mundo, estão afetando profundamente a economia do planeta. De acordo com um relatório da Unep, as perdas econômicas decorrentes dos desastres naturais – pioradas por constantes ações de seres humanos no meio ambiente – aparentemente estão dobrando a cada dez anos.

Na próxima década, as perdas podem atingir o valor de US$ 150 bilhões por ano.

Os autores do levantamento garantem que o aquecimento global, devido ao constante aumento da emissão de gases de efeito estufa, é responsável direto pelo problema.

Clima e finanças

A Unep pede que os setores financeiros e os governos locais se imponham mais, exigindo “a redução imediata” das emissões de gases de efeito estufa. Uma das alternativas é incentivar financeiramente empresas que adotem o controle do clima como uma prioridade.

O documento diz ainda que o Protocolo de Kyoto, que prevê a redução das emissões dos gases de efeito estufa, não é o suficiente para controlar essas perdas.

O protocolo, que prevê a redução dos gases de efeito estufa até 2012, não será ratificado pelos Estados Unidos – o maior poluidor do planeta. Mas o documento pode entrar em vigor assim que a Rússia aprová-lo.

Países como a União Européia e o Brasil – também grandes poluidores – já ratificaram o Protocolo de Kyoto.

A Unep propõe que instituições financeiras criem “soluções mercadológicas” para as mudanças climáticas.

“Uma atitute mais ativa poderia ajudar a conter as ameaças que as mudanças climáticas representam para o mundo”, garante a Unep.

Apesar da ameaça representada pelo crescimento das emissões de gás carbônico (o gás de efeito estufa mais perigoso), a ONU afirma que muito pouco vem sendo feito pelos setores públicos e privados.