ONU condena governo sírio por ataques sistemáticos e deliberados a crianças

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de março de 2012 as 04:02, por: cdb

Renata Giraldi*
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A alta comissária de Direitos Humanos das Nações Unidas,  Navi Pillay, condenou hoje (28) os ataques das autoridades sírias, de forma “deliberada e sistemática”, a crianças. Segundo ela, há relatos de crianças mortas a tiro e detidas em condições desumanas. De acordo com Pillay, há depoimentos de pessoas que contaram que foi negado o atendimento às crianças feridas.

“Houve crianças que levaram tiros nos joelhos, depois de terem sido detidas com adultos em condições realmente desumanas e a quem foi negado tratamento médico, sendo mantidas em cativeiro para servir de fonte de informação”, disse Pillay.

A alta comissária manifestou preocupação com o destino dessas crianças e pediu ao presidente sírio, Bashar Al Assad, para tomar providências. Segundo ela, o presidente sírio terá de responder à Justiça pelos abusos cometidos por suas forças de segurança.

Pillay disse ainda que há provas que indicam que a responsabilidade pelos acontecimentos  na Síria é das forças de segurança leais ao governo. “[Esses atos] devem ter recebido aprovação ou cumplicidade no mais alto nível”, observou.

Ela acrescentou que o Conselho de Segurança das Nações Unidas tem informações suficientes para levar a Síria ao Tribunal Penal Internacional. Ontem (27) o governo da Síria anunciou aceitar o plano de paz apresentado pelo enviado especial das Nações Unidas e da Liga Árabe, Kofi Annan.  Porém, a comunidade internacional está cética.

No último domigo (25), a organização não governamental (ONG)  Human Rights Watch advertiu que os militares sírios usam escudos humanos nas operações armadas no país. A ONG alertou que os moradores das principais cidades sírias correm risco de morte.

As ameaças são maiores nas cidades de Al Janoudyah, Nabl Kafr, Rouma Kafr e Larouz Ayn, na região de Idlib, no Norte do país. A organização quer que a denúncia seja encaminhada ao Tribunal Penal Internacional. De acordo com depoimentos colhidos pela organização, as pessoas são forçadas a marchar em frente ao Exército sírio. Com isso, os militares são protegidos de eventuais tiroteios.

*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa//Edição: Graça Adjuto