ONG revela que falha pode ter matado civis no Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 21 de outubro de 2003 as 00:42, por: cdb

A Human Rights Watch disse na última segunda-feira que o exército norte-americano falhou na condução das investigações sobre os assassinatos de civis por seus soldados no Iraque. Um porta-voz do Pentágono defendeu a conduta das forças dos Estados Unidos, que, segundo ele, tomaram ‘medidas extraordinárias para evitar acidentes com civis, inclusive com risco das próprias vidas’.

O grupo de direitos humanos, sediado em Nova York, disse que os soldados devem ser responsabilizados por suas ações em investigações completas para remover a ‘atmosfera de impunidade’ que ele afirma existir em Bagdá.

Em um novo relatório, a organização afirmou ter confirmado a morte de 20 civis sob a responsabilidade das forças dos EUA, entre 1 de maio, quando Washington declarou encerrado o combate principal, e o fim de setembro. O grupo diz ter coletado ‘dados confiáveis’ sobre a morte de 94 civis. O exército afirma não ter registro de mortes civis.

– É uma tragédia que os soldados norte-americanos tenham matado tantos civis em Bagdá – disse Joe Stork, chefe da seção da Human Rights Watch no Oriente Médio.

– Mas é realmente incrível que o exército dos EUA não tenha nem contado essas mortes – completou.

Desde o início da guerra, em 20 de março, acredita-se que tenham morrido entre 7.935 e 9.198 civis iraquianos como resultado da ‘intervenção militar’, de acordo com o projeto independente Iraq Body Count.