Ong e Benedita negam acusações e movem processo contra Garotinho

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 18 de outubro de 2001 as 10:37, por: cdb

O governador Anthony Garotinho (PSB) acusou nesta quarta-feira um aliado da vice-governadora Benedita da Silva (PT) de ter desviado R$ 500 mil que teriam sido doados pela empresa de telefonia fixa Telemar no primeiro ano de seu governo para a construção de um restaurante popular. A organização não-governamental Ação da Cidadania negou o fato e já contratou advogado para processar o governador fluminense por calúnia e difamação. A vice-governadora afirmou estranhar as declarações de Garotinho e também nega qualquer participação em irregularidades no caso apontado pelo governador.

“Quando a Benedita era a titular da coordenação das ações sociais, tínhamos o projeto do restaurante popular, e esse projeto recebeu uma doação de uma empresa de R$ 500 mil para ser implantado, e a dona Benedita entregou isso para uma ong chamada Ação da Cidadania, liderada pelo senhor Maurício Andrade, que pegou os R$ 500 mil e não apresentou restaurante nenhum. Foi a Telemar a empresa que fez a doação. Esse senhor Maurício Andrade pegou em nome da Ação da Cidadania. Tanto que algumas pessoas se afastaram do projeto por desconfiar que a coisa ali não estava bem. Não pudemos tomar nenhuma atitude porque se tratava de uma doação de uma empresa privada para uma ong”, afirmou Garotinho nesta quarta à noite, ao deixar o Hotel Glória, onde participara de um encontro do PSB.

Os ataques de Garotinho ocorreram um dia depois de a vice-governadora admitir que deve disputar a eleição estadual no ano que vem. Procurado pelo Estado, Andrade considerou as acusações “levianas e irresponsáveis”.

“É uma coisa absurda, uma irresponsabilidade envolver uma instituição pública reconhecida como a ação da Cidadania, uma empresa privada como a Telemar e uma pessoa pública importante como Benedita”, disse o coordenador da ong.

Segundo ele, “nunca existiu nenhuma transferência de recursos financeiros” da Telemar para a Ação da Cidadania. “A Telemar é nossa parceira há 4 anos, e isso nunca aconteceu, assim como nunca houve repasse de nenhum setor do governo”, afirmou Andrade.

O coordenador da Ação da Cidadania disse que já procurou a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para mover uma ação contra o governador do Rio. “O jogo que ele faz é no sentido de denegrir e levantar suspeitas sobre a vice-governadora.”

Ao participar de encontro com líderes do PSB, Garotinho disse que seu partido terá candidato ao governo do Rio e que o nome tem de ser definido nos próximos 15 dias.

Em seu discurso, o governador atacou adversários políticos como o ex-ministro Ciro Gomes (PPS), o prefeito César Maia (PFL), chamando um secretário municipal de “cachorro”, e os petistas: “Não duvido que quando sairmos do governo alguns projetos sociais sejam suspensos. Li outro dia uma reportagem com o Milton Temer dizendo que tem que acabar com o cheque-cidadão (programa de renda mínimo do governo estadual). Claro que ele acha isso. Ele vai sempre tomar uísque e comer feijoada no Mistura Fina. Daqui a pouco vão dizer que o preço do restaurante popular é subsídio e que isso é coisa errada e vão aumentar o preço, como fez a Marta lá em São Paulo e aumentou as passagens de ônibus”.

O restaurante, que serve comida a R$ 1,00, foi criado quando a primeira-dama Rosângela Matheus assumiu a Secretaria de Ação Social.