ONG cobra de Lula promessa de atacar corrupção

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 23 de outubro de 2003 as 13:52, por: cdb

A Transparência Internacional divulgou uma carta aberta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrando as medidas de combate à corrupção que ele prometeu durante a campanha.

“Chegou a hora de aproveitar uma oportunidade histórica e voltar a maré contra a corrupção no Brasil”, afirma o presidente da Transparência Internacional, Peter Eigen.

A ONG cita um documento assinado por Lula ainda quando candidato, em setembro do ano passado, em que ele se comprometia com oito medidas práticas para atacar a corrupção no país se fosse eleito, a principal delas sendo a criação de uma agência nacional anticorrupção.

“Não houve avanços em termos do que advogamos”, avalia Cláudio Weber Abramo, secretário-geral da Transparência Brasil, o braço brasileiro da organização, que elabora um ranking anual dos países mais corruptos do mundo.

O Brasil se mantém praticamente estável nesse ranking há seis anos, com um índice de 3,9 numa escala em que 0 é um país totalmente corrupto e 10 um país livre de corrupção.

Abramo salienta que a cobrança da promessa de campanha não significa que a corrupção no governo Lula é maior do que no governo anterior, ou que o governo atual está sendo conivente com ela. “Simplesmente ele assinou um documento prometendo fazer coisas que não fez”, afirma.

Lula foi o único candidato a assinar o documento de promessas anticorrupção ainda no primeiro turno. No segundo turno, o então candidato José Serra também assinou.

O que falta, segundo Abramo, é que o combate à corrupção seja considerado uma estratégia de governo e atacada por um plano estratégico.

Entre as medidas assinaladas no documento está a criação de uma agência nacional anticorrupção, o desenvolvimento do combate científico à corrupção, com a capacitação dos órgãos de investigação, o fim do nepotismo e empreguismo e a criação de um sistema de ouvidorias em todos os órgãos da administração federal.

Dos oito itens da declaração assinada por Lula, a Transparência Brasil avalia que somente um foi parcialmente cumprido, o que prega a manutenção e aperfeiçoamento da Controladoria Geral da União. “O novo chefe do órgão, Waldir Pires, está fazendo um bom trabalho, mas ainda estamos esperando pelo aperfeiçoamento do órgão”, disse Abramo.

“Achamos que ainda dá tempo de o governo Lula mudar a situação atual”, afirma.

A organização se coloca à disposição do governo para ajudar na elaboração de medidas de combate à corrupção.

Nesses dez meses de governo, Abramo diz que já procurou o governo várias vezes, mas nunca foi recebido. “Eles nunca quiseram conversar”, conta.

“Não queremos criticar o governo, mas nos colocamos à disposição para colaborar”, afirma Abramo.