OMT se reúne para apoiar país afetado pelo Sars

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 20 de outubro de 2003 as 04:45, por: cdb

A Organização Mundial do Turismo (OMT) inaugurou no último fim de semana em Pequim sua 14ª sessão plenária, como um voto de confiança a uma das cidades mais afetadas no mundo inteiro pela crise da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars).   

– Pelo simples feito de celebrar a reunião nesta cidade, demonstramos que, depois da Síndrome Respiratória Aguda Severa, os destinos turísticos da região estão onde estavam antes da crise e que, de novo, a Ásia é um destino turístico de primeira ordem – disse o secretário-geral da OMT, Francesco Frangialli, em Pequim.

Frangialli explicou que, com 703 milhões de chegadas em 2002, uma alta de 2,7 por cento em relação ao ano anterior, ‘o turismo internacional superou o pior da tempestade e está preparado para começar de novo’.

O turismo chinês, por outro lado, cresceu 11 por cento no mesmo período, atraindo 36,8 milhões de estrangeiros.

O setor turístico internacional foi um dos mais afetados nos últimos anos por um conjunto de fatores desfavoráveis, como os ataques terroristas do 11 de Setembro de 2001, a crise econômica internacional, a guerra do Iraque e a crise da pneumonia atípica. Esta última paralisou todas as atividades econômicas, políticas e sociais da China e de outros países do Sudeste Asiático, os mais atingidos, além do Canadá.

Ainda assim, indústria internacional do turismo movimentou 473 bilhões de dólares no ano passado, cifra que supera a do comércio e da agricultura internacional.

Segundo um relatório da OMT, organização com 141 membros e cuja sede fica em Madri, em 2020, a China será o destino favorito do turismo mundial e atrairá 100 milhões de pessoas, superando a França, para onde viajam cerca de 77 milhões de turistas estrangeiros todos os anos.

A China, que abriu no final da década seu setor turístico, está vivendo uma explosão deste setor, aproveitando sua qualidade de ‘destino mais seguro do mundo’, a salvo de ataques terroristas internacionais até o momento.