Oficina: Zé Celso e Silvio Santos ensaiam acordo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de janeiro de 2005 as 21:19, por: cdb

A montagem surgiu há cerca de quatro anos. O grand finale começou a ser ensaiado na semana passada. O criador do Teatro Oficina, José Celso Martinez Corrêa aceitou, com ressalvas, o projeto de Silvio Santos para os arredores do prédio, na Bela Vista.

Os dois tentam se entender para que Silvio construa um shopping center no terreno colado ao Oficina, sem sufocá-lo, e deixe um espaço para a criação de um Teatro de Estádio, ao ar livre, como Zé Celso deseja.

– Aceitei o projeto, mas ainda há coisas de que discordo – disse o diretor, sobre a proposta encomendada por Silvio aos arquitetos Marcelo Ferraz, Marcelo Suzuki e Francisco Sanucci.

Quando a polêmica veio à tona, em 2001, o receio do diretor era de que o prédio a ser construído engessasse o teatro deixando-o com lateral de poucos metros e sem saída nos fundos, o que impediria a construção do espaço aberto. Na época, o Grupo Silvio Santos divulgou nota garantindo que a obra não prejudicaria a iluminação e a ventilação do teatro.

O projeto de Silvio foi aprovado pela Prefeitura em 1997 e referendado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) em 1998. O alvará para a construção da obra saiu 2001 – mesmo ano em que o empresário recebeu um manifesto com a assinatura de cerca de 5 mil artistas em defesa do Oficina.

Zé Celso fez barulho contra a construção do shopping. Em 2002, quando recebeu o título de cidadão paulistano, aproveitou a homenagem na Câmara para atacar Silvio Santos. Meses depois, num encontro de artistas e intelectuais para apoiar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência, criticou a ex-prefeita Marta Suplicy, que aprovou o projeto do empresário.