O polêmico filme Brokeback Mountain é sucesso nos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 3 de janeiro de 2006 as 17:45, por: cdb

A estréia de O Segredo de Brokeback Mountain que  alguns achavam que provocaria escândalo nos Estados Unidos, se transformou no fenômeno do ano nas bilheterias, além de ser o filme mais premiado da temporada. Do diretor taiuanês Ang Lee, a produção baseada em um breve relato de Annie Proulx, apresenta a história de amor entre dois cowboys, numa visão diferente do gênero mais clássico de Hollywood, o dos filmes de velho-oeste.

Em contraste com a imagem rude e machista dos filmes de bang-bang, O Segredo de Brokeback Mountain narra o amor proibido entre dois cowboys, uma história já batizada nos EUA como o “E o vento levou” homossexual. Os temores de que a temática do filme afastaria o público desapareceram e, em vez da polêmica, a Focus Features, responsável pela produção, obteve grande sucesso.

O Segredo de Brokeback Mountain foi na última semana do ano, o filme de maior receita por sala de exibição, com uma arrecadação média de US$ 13.599. O número supera até os de King Kong e As Crônicas de Nárnia. Embora as duas superproduções superem O Segredo de Brokeback Mountain no que se refere à arrecadação total, a média por sala dos dois filmes é muito inferior, com apenas US$ 9.305 no caso do primeiro e US$ 8.225 no do segundo.
Além da excelente arrecadação, O Segredo de Brokeback Mountain tem a seu favor a crítica e a liderança na hora dos prêmios. Até agora, o filme protagonizado por Heath Ledger e Jake Gyllenhaal é um dos grandes destaques da temporada.

O filme recebeu sete indicações ao Globo de Ouro, considerado ante-sala do Oscar, e já foi premiado por organizações como a Associação de Críticos de Los Angeles e o Instituto Americano do Cinema. Lentamente, mas de forma segura, O Segredo de Brokeback Mountain estende agora seu domínio para fora dos grandes núcleos urbanos como Los Angeles e Nova York, em busca do mercado mais arriscado do interior dos Estados Unidos.

Em um ano em que os grandes lançamentos de Hollywood não tiveram os resultados esperados, pequenas produções independentes fizeram sucesso. É o caso de O Jardineiro Fiel, de Fernando Meirelles, Crash (Paul Haggis), Marcas da Violência (David Cronenberg), Orgulho e Preconceito (Joe Wright) e, especialmente, do documentário A Marcha do Imperador (Luc Jacquet). Nenhum deles foi manchete em suas semanas de estréia, mas tiveram uma estratégia calculada, que aumentou pouco a pouco sua presença nas salas à medida que crescia o interesse e as boas críticas, dando longevidade a esses filmes tanto nos EUA quanto no mercado internacional.

Mas, como garante o colunista Tom O’Neill em sua lista dos favoritos ao Oscar, o sucesso de O Segredo de Brokeback Mountain dificilmente será superado.