O meu balanço

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 29 de dezembro de 2005 as 17:50, por: cdb

O meu balanço não é do que passou mas antes do que vai passar, a partir dos sinais que nos foram sendo deixados em 2005. Não pretendo fazer previsões,antes inquirir em que medida o futuro veio até ao presente. Quais as imprevisibilidades mais importantes que nos deixa?

A China. Até 1830, a balança comercial da China com a Europa era favorável à China. Os últimos cento e cinqüenta anos foram anos de humilhação e de construção de um sistema alternativo ao Ocidental. Desde a década de 1980, assistimos à emergência de um fenômeno novo: a combinação entre o comunismo mais autoritário com o capitalismo mais selvagem, o que poderíamos chamar stalinismo de mercado. Em 2005, este modelo revelou toda a sua pujança: as viagens espaciais; crescimento econômico três vezes o dos EUA; investimento massivo em África. O que é aqui imprevisível? Ao contrário dos seus congêneres ocidentais, os manuais de estratégia militar chinesa estabelecem que a vitória não consiste em vencer o inimigo na batalha. Consiste em miná-lo por dentro, absorvê-lo de modo a que a batalha nunca tenha lugar. Irão os manuais ser seguidos? Se os chineses retirassem hoje os seus aforros da economia norte-americana, esta sofreria um profundo abalo.

Células-tronco. É uma outra guerra entre o Ocidente e o Oriente, uma guerra científica, com pouca ciência e muita política. A Coréia do Sul tem, como projeto nacional, tornar-se a maior potência mundial na clonagem de células estaminais humanas para fins terapêuticos. Para fortalecer a sua posição, procurou alianças com cientistas ocidentais, talvez desconhecendo que o Ocidente não cede de barato a sua primazia. O escândalo acaba de estalar, no plano ético (uso de ovócitos de investigadoras do laboratório) e no plano científico (houve fraude na prova de produção de células estaminais humanas personalizadas?).Envolve cientistas, mídia, empresas de biotecnologia e os serviços secretos. Esta é uma área em que a linha que divide a lógica da ciência da lógica do mercado é demasiado tênue para não temermos que o nosso corpo se transforme na próxima (pós-humana?) linha de montagem.

Exclusão e colonialismo. Nada de novo nesta frente: continuou a agravar-se a desigualdade social. Pelo menos, 8 milhões e 300 mil indivíduos ficaram felizes com esta notícia. É o número de indivíduos que têm investimentos superiores a um milhão de dólares, os chamados indivíduos EVL (de elevado valor líquido). Segundo o Financial Times, o seu número aumentou em 60% nos últimos sete anos. Relativamente nova foi a combinação entre exclusão social, colonialismo e racismo. Os protestos sociais em França mostraram até que ponto o passado colonial da Europa continua a persegui-la. Já tinham ocorrido na Inglaterra e é possível que surjam noutros países, inclusive naqueles que foram colônias e se tornaram independentes através do massacre de populações nativas e da subalternização de alguns grupos de imigrantes. É o caso da Austrália, que termina o ano nas notícias com a violência racista antiárabe nos subúrbios de Sidney. Como vai o Norte continuar a defender-se do Sul, cuja destituição provoca? Engenho repressivo não lhe falta. O Departamento de Segurança Nacional dos EUA acaba de ser autorizado a construir 1.100 quilômetros de vedações ao longo da costa Sul para impedir a entrada de “latinos”.

Comércio livre. 2005 foi o ano de todas as frustrações para os países ricos. Não foi possível evitar o fracasso da reunião ministerial da Organização Mundial do Comércio que se acaba de realizar em Hong Kong. Depois de Cancún e Hong Kong, a OMC tornou-se um cadáver adiado. O fato novo é que os países do Sul conseguiram o mínimo de união (para o que contribuiu muito o papel do Brasil, Índia e África do Sul) para poder fazer ouvir o óbvio: o comércio livre tem sido a fraude com que os países ricos têm imposto aos países pobres os termos de comércio mais desiguais desde o coloni