O cantor Wilson Simonal é absolvido pela OAB

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de setembro de 2003 as 18:43, por: cdb

Em julgamento simbólico, os integrantes da Comissão Nacional de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) absolveram o cantor Wilson Simonal, morto em 2000, com a fama de ter delatado colegas ao regime militar. A pedido da família, o grupo da OAB analisou documentos da época e concluiu que o artista não foi dedo-duro.

Para chegar ao veredicto, a comissão manteve contato com pessoas como o comediante Chico Anysio e os cantores Ronnie Von e Jair Rodrigues.

– Só podia acusar Wilson Simonal de ter sido delator do SNI (Serviço Nacional de Informações) quem não o conhecia. Eu até admito que, por absoluta ignorância política, Simonal aceitasse vir a ser o diretor-geral do SNI, mas ser um dedo-duro, quem o conhece sabe que ele jamais aceitaria ser – escreveu Chico Anysio.

O comediante afirmou que Simonal “incomodava a uns tantos, que não suportavam ver aquele negro com a fita na cabeça, um suíngue absoluto, um ar de modéstia e ainda cantando olhando nos olhos das moças que brigavam por um lugar nas primeiras filas exatamente para serem olhadas por ele”.

Os advogados também analisaram reportagens publicadas nos jornais. Em notícia veiculada em 1992 pelo Jornal da Tarde, por exemplo, o atual ministro da Cultura, Gilberto Gil, e o cantor e compositor Caetano Veloso afirmavam que não tiveram problemas de convivência com Simonal.
Em documento assinado em 1999, o então secretário de Direitos Humanos, José Gregori, informou que em uma pesquisa realizada nos arquivos de órgãos federais, como o SNI e o Centro de Inteligência do Exército, não foram encontrados registros de que Simonal teria sido colaborador, servidor ou prestador de serviços.