NY se prepara para greve geral de transporte

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 19 de dezembro de 2005 as 09:55, por: cdb

Os nova-iorquinos se preparavam desde a manhã desta segunda-feira para uma greve geral no sistema de transporte público da cidade, já que as negociações entre empregados e autoridades da área arrastavam-se sem sinais de um acordo capaz de evitar uma paralisação no auge das férias. Diante da ameaça de uma greve geral na terça-feira, os negociadores do Serviço de Transporte Público (MTA) e os do Sindicato de Trabalhadores do Transporte (TWU) reuniram-se no domingo, mas os dois lados pareciam dispostos a não ceder. O jornal New York Times afirmou que o sindicato tinha pedido que o Quadro de Relações com o Funcionalismo Público entrasse na Justiça para impedir o MTA, comandado pelo poder público, de fazer exigências sobre a aposentadoria da categoria como parte de sua oferta nas negociações. O TWU realizou uma paralisação parcial nesta segunda-feira, em duas linhas de ônibus, e ameaçou fazer uma greve ampla na terça, atingindo metrô e ônibus, se não for fechado nenhum acordo até a meia-noite. Cerca de 7 milhões de passageiros são transportados diariamente pelos ônibus e metrô da cidade.

Os nova-iorquinos se preparam para a greve desde sexta-feira, quando terminou um primeiro prazo dado pelos trabalhadores. A cidade já elaborou um plano de emergência, que inclui a imposição de limites para a circulação de carros, o fechamento de ruas e a convocação de táxis para trafegar na rota dos ônibus.

– Nos últimos dias, Nova York tem sido uma cidade mergulhada no limbo. Ninguém ganha em uma greve, especialmente se for ilegal. – afirmou o prefeito Michael Bloomberg, no domingo, pedindo que o sindicato selasse um acordo e evitasse a greve, que seria ilegal, já que leis trabalhistas proíbem que funcionários públicos façam greve.

Um ponto central no embate tem sido o plano de aposentadoria dos futuros empregados do setor, cujo sindicato conta hoje com 34.000 membros. Trabalhadores e patrões também discutem a respeito de um aumento salarial e do atendimento médico. O MTA quer que os novos contratados tenham parte de seus salários descontados para pagar pelas aposentadorias e quer elevar a idade mínima de aposentadoria, de 55 para 62 anos. O TWU colocou uma mensagem em seu site para os passageiros prejudicados pela paralisação em duas linhas de ônibus na segunda-feira.

 – Estamos todos incomodados. Sabemos quão duro será uma greve de ônibus para os senhores. Mas não faríamos a greve, se houvesse outra alternativa – disse.

Segundo Bloomberg, a paralisação do metrô e dos ônibus da cidade poderia custar cerca de 400 milhões de dólares por dia nesse período de férias natalinas e de grande movimentação de turistas. Uma greve de 11 dias realizada em 1980 custou à cidade mais de 1 bilhão de dólares.