Novo acordo climático levará anos, diz ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de novembro de 2005 as 11:28, por: cdb

Defensores de Kyoto pretendem usar a reunião de Montreal para prorrogar sua validade. Pelo protocolo, até 2012 os países desenvolvidos signatários terão de reduzir as emissões de poluentes, especialmente o dióxido de carbono, para níveis 5,2 por cento inferiores aos de 1990. O governo norte-americano se retirou do acordo por considerar que as reduções de carbono seriam nocivas à sua economia e que países em desenvolvimento também deveriam ter obrigações.

Washington diz não ter interesse nas negociações sobre os compromissos a serem adotados após 2012. Os EUA afirmam priorizar investimentos em novas tecnologias, mais “limpas”, sem limites às emissões de carbono por usinas elétricas, fábricas e carros. Mas Kinley disse que ainda haverá esforços na reunião da ONU para atrair os EUA para a discussão. Também é importante que países em desenvolvimento, como Brasil, China e Índia, participem. 
–  Essa é a questão a observar. Haverá muita conversa, queda de braço e discussão – dsse ele.

O anfitrião Canadá defende um processo de “duas pistas”, pelo qual os países que ratificaram Kyoto começariam a discutir um novo pacto, enquanto outros, como os EUA, passariam a buscar novas formas de combater o aquecimento global.

Kinley disse ainda que a conferência, que vai até dia 9, deve reafirmar na quarta-feira regras detalhadas sobre Kyoto, inclusive as penalidades para quem descumprir os compromissos. Foi rejeitada a proposta saudita por emendas no acordo, o que tomaria muito tempo. Ele também manifestou confiança de que a conferência incentive um esquema da ONU que promove investimentos em energias mais “limpas” nos países em desenvolvimento – projetos como hidrelétricas na África do Sul ou usinas de queima de metano no Brasil.

-A primeira coisa é dinheiro.  Há um amplo reconhecimento de que esse ambicioso mecanismo foi criado com um orçamento limitado – disse ele sobre as reformas no chamado Mecanismo de Desenvolvimento Limpo.