Norte e Noroeste do Rio recebem R$300 milhões para controle de cheias

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de março de 2012 as 11:27, por: cdb
Oito cidades do Norte e Noroeste do Rio foram atingidas pelas chuvas

Com a aprovação pela Assembleia Legislativa, na semana passada, da lei autorizando o Governo do Estado a contrair empréstimo de R$ 3,6 bilhões junto ao Banco do Brasil para financiar diversas obras no Estado do Rio, a Secretaria do Ambiente deve licitar, no máximo, em abril a construção em Lage do Muriaé do primeiro dos cinco extravasores que vão acabar com os transbordamentos dos rios Muriaé e Pomba, nas regiões Noroeste e Norte. A pasta terá à disposição R$ 300 milhões do total do empréstimo para aplicar nos projetos. O de Lage do Muriaé está orçado em R$ 80 milhões.

A informação é do subsecretário de Projetos e Intervenções Especiais, Antonio da Hora, responsável pela elaboração dos projetos que consistem em controlar as cheias até o limite da calha do rio e liberar o excesso para um canal que despejará a água cerca de seis quilômetros rio abaixo. O canal terá 40 metros de largura e uma profundidade de até oito metros. A obra deve ficar pronta para o próximo verão.

– Com o extravasor, não haverá mais transbordamentos nas áreas urbanas de Lage do Muriaé, se chover muito rio acima. O projeto já está pronto e aprovado pelo Inea (Instituto Estadual do Ambiente) e tão logo assinemos o contrato do empréstimo vamos licitar – afirmou Da Hora.

A Secretaria vai estender o controle das cheias nas cidades de Itaperuna, Italva e Cardoso Moreira, banhadas pelo Rio Muriaé, e em Santo Antônio de Pádua, no Rio Pomba. Os rios nascem em Minas Gerais e desaguam no Rio Paraíba do Sul. Com exceção de Cardoso Moreira, onde a previsão é de construção de uma barragem, no valor de R$ 200 milhões, as demais cidades receberão um extravasor, cada um orçado em cerca de R$ 80 milhões. Com R$ 300 milhões assegurados, o Governo do Estado tenta conseguir novos recursos para completar o orçamento.

– A previsão é acabar com as enchentes nos dois rios até 2014 – finalizou Da Hora.