No Peru, a maconha é a droga mais consumida

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 23 de setembro de 2003 as 23:55, por: cdb

A maconha foi consumida por 213.608 peruanos no ano passado, mas 42.889 podem se considerar dependentes da substância, o que a transforma no entorpecente ilegal mais consumido no Peru, segundo a II Enquete Nacional de Prevenção e Consumo de Drogas, divulgada nesta terça.

A pesquisa, realizada entre outubro de 2002 e fevereiro passado, mostra que 90 mil peruanos são dependentes das drogas ilegais, entre eles, 23.023 de cloridrato de cocaína e 15.714 da pasta básica de cocaína. Além disso, 22.114 peruanos consomem tranqüilizantes sem receita médica e 9.093 usam inalantes.
 
A pesquisa acrescenta que o álcool é consumido por 1,2 milhão de peruanos e o tabaco por 496.524. O presidente executivo da Comissão Nacional para o Desenvolvimento e Vida sem Drogas, Nils Ericsson, declarou que os resultados da pesquisa devem ser vistos como um alerta aos defensores do consumo da folha de coca, para que atentem ao impacto real da produção excedente.

Em relação à idade inicial do consumo, o estudo mostra que 10% da população começaram a ingestão de álcool entre os 12 e 13 anos. No entanto, o consumo de maconha começa entre os 20 e 30 anos para 19% dos peruanos. Outras drogas, como a pasta básica e o cloridrato de cocaína, são consumidas por 15% da população a partir dos 14 e 16 anos.

– No Peru se observa uma forte tendência a iniciar o consumo de drogas legais e ilegais em idades cada vez mais adiantadas – disse o responsável pela enquete e gerente de prevenção e reabilitação da Comissão, Gustavo Ascacibar.

O estudo confirmou que o início do consumo de álcool, tabaco, maconha e cloridrato de cocaína ocorre mais cedo em pessoas de nível socioeconômico alto. O “início” com os tranqüilizantes ocorre antes em pessoas de nível socioeconômico médio e o consumo de inalantes começa antes no nível socioeconômico baixo.