New York Times: “Povo português junta-se ao coro de descontentamento da Europa”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 29 de novembro de 2012 as 21:28, por: cdb

Ao contrário do que acontecia “até há uns meses atrás”, os portugueses entraram para o ranking dos descontentes da Europa, sendo que os “protestos e as paralisações tornaram-se cada vez mais comuns durante este último ano, à medida que o quotidiano de muitas famílias portuguesas se tornou numa luta para se manterem à tona”, noticia o New York Times. Artigo |30 Novembro, 2012 – 02:23 Foto de Paulete Matos.

Num artigo publicado no New York Times (NYT), o jornalista Raphael Minder sublinha que, “até há uns meses atrás, Portugal era visto como “um modelo a seguir” no cenário de crise da Zona Euro, “adotando cortes na despesa e subindo impostos para reduzir o seu défice sem os tumultos, protestos e greves que as políticas de austeridade despoletaram em outros países do sul da Europa”. “Os credores internacionais elogiaram o governo até mesmo quando disponibilizaram um financiamento ao país no valor de 78 mil milhões de euros, no seguimento de acordos similares com a Grécia e a Irlanda”, adianta o correspondente do jornal diário nova iorquino.

A política de austeridade terá, contudo, e segundo escreve Raphael Minder, ajudado a “empurrar Portugal mais profundamente para uma das mais longas recessões da Europa”, tendo os portugueses entrado “para o ranking dos descontentes da Europa, coordenando, inclusive, uma greve geral com os trabalhadores na vizinha Espanha no início deste mês”.

“Os tempos difíceis também criaram tensões” dentro da coligação PSD/CDS-PP, avança, salientando que, ainda assim, “o governo conseguiu aprovar um novo orçamento de austeridade com aumentos abruptos de impostos, enquanto os manifestantes demonstravam o seu descontentamento fora do edifício do Parlamento”.

“Tais protestos e paralisações tornaram-se cada vez mais comuns durante este último ano, à medida que o quotidiano de muitas famílias portuguesas se tornou numa luta para se manterem à tona”, observa o jornalista, lembrando que o “salário dos trabalhadores do setor público e do setor privado está a ser cortado, a taxa de desemprego aumentou para quase 16 por cento, os aposentados enfrentam custos de saúde mais elevados e os estudantes vão pagar mais pelo seu curso, sem qualquer garantia de que o seu grau académico lhes proporcionará emprego”, optando, muitas vezes, por emigrar.

A pretexto da aprovação do Orçamento do Estado para 2013, o NYT publica ainda uma fotogaleria, composta por 16 fotografias. O fotógrafo Maurício Lima opta por temas como a demolição de casas no Bairro de Santa Filomena, na Amadora, a emigração de uma estudante recém formada, um prédio abandonado, sem abrigos, entre outros, para retratar um Portugal empobrecido e fustigado pelas medidas de austeridade impostas pelo executivo do PSD/CDS-PP.