Nelsinho se apresenta na Gávea

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de março de 2003 as 17:08, por: cdb

O técnico Nelsinho Baptista, 52 anos, foi apresentado oficialmente como novo técnico do Flamengo na tarde desta segunda-feira, na Gávea, juntamente com o auxiliar técnico Mauro Aparecido da Silva (ex-ponta-esquerda do Corinthians) e com o preparador físico Eduardo Alexandre Baptista, que também é seu filho.

Campeão pelo goiano pelo Goiás neste final de semana, o treinador assume o Flamengo disposto a manter a rotina de títulos. A meta principal será o Campeonato Brasileiro, competição que o clube não conquista desde 1992. Para atingir tal objetivo Nelsinho quer um elenco fortalecido, algo fundamental para uma boa campanha no Brasileirão, que, este ano, terá oito meses de duração.

“Pelo que pude observar de fora, o Flamengo tem jogadores de qualidade, mas vamos disputar uma competição longa e precisaremos compor o elenco para não termos problemas no caso de eventuais lesões e suspensões. Neste Brasileiro, não adianta ter só um bom time, é preciso ter um bom elenco”, disse o treinador.

Nelsinho solicitou à diretoria rubro-negra uma lista com todos os jogadores do elenco, inclusive alguns juniores que já foram aproveitados no elenco profissional, mas ainda não avaliou minuciosamente o grupo.

“Terei pouco tempo para conhecer bem o elenco, até o começo do campeonato, mas não acredito que será difícil determinar as carências. O Flamengo tem tradição de revelar bons jogadores, mas é preciso saber o momento certo de utilizar a prata da casa. Aqueles que forem contratados terão de estar prontos para ajudar de imediato”, discursou o técnico.

Quanto aos problemas de relacionamento entre alguns jogadores, fator que contribuiu para a eliminação na semifinal do Campeonato Carioca, para o Fluminense, Nelsinho acredita que poderá administrá-los dentro de campo.

“Minha preocupação é distribuir bem o trabalho, mas não acho que o problema do Flamengo seja disciplinar. Se cada um souber bem o que deve fazer em campo, as discussões não acontecerão”, analisou o treinador, que acumula experiência de 15 anos, inclusive com passagens pelo futebol da Arábia Saudita, Japão, Colômbia e Chile.