Navios deverão ser alternativa de hospedagem durante Copa e Olimpíadas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 27 de junho de 2012 as 14:56, por: cdb

Em audiência pública conjunta das Comissões de Viação e Transportes; e de Turismo e Desporto, nesta quarta-feira (27), debatedores apresentaram os cruzeiros marítimos como alternativa à falta de infraestrutura do setor hoteleiro para atender a demanda de hospedagem que será gerada pela Copa do Mundo de 2014 e pelas Olimpíadas de 2016, que terão sede no Brasil. No caso das Olimpíadas, já está previsto o uso de navios para hospedar turistas no Rio de Janeiro.

De acordo com o IBGE, o Brasil vai receber 600 mil turistas estrangeiros durante a Copa, e 3 milhões de brasileiros deverão se deslocar pelo País. Hoje, o setor hoteleiro nas 12 cidades-sede do mundial tem capacidade para atender pouco mais de 400 mil turistas. Como alternativas de hospedagem, o Ministério do Turismo propõe campings públicos e hospedagens domiciliares. Famílias que tenham interesse em receber turistas poderão se cadastrar num programa do governo.

O vice-presidente da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar), Aurélio Maduro, demonstra preocupação com os desafios que o setor irá enfrentar durante a Copa e as Olimpíadas. Ele criticou as limitações do Brasil, quinto país do mundo em transporte de passageiros por via marítima, como o visto de apenas seis meses para tripulação e os altos custos de operação.

“É inviável alguém criar um hotel por conta de um mês de evento. Já temos o histórico, de outros grandes eventos de Copa e Olimpíadas, de os navios suprirem essa demanda”, apontou.

Olimpíadas
O uso de navios para hospedagem está confirmado apenas nas Olimpíadas. Sete navios atracados no porto do Rio de Janeiro disponibilizarão cerca de 10 mil quartos, abrigando 24 mil pessoas. De acordo com o presidente da Autoridade Pública Olímpica, Márcio Fortes de Almeida, os navios foram autorizados somente a hospedar, e não a transportar os passageiros. Por isso, eles deverão chegar vazios aos portos brasileiros.

Das 12 cidades-sede da Copa, cinco são litorâneas. Em todas elas estão sendo feitas obras portuárias. Mais de R$ 800 milhões serão investidos na construção de terminais marítimos de passageiros em Salvador (BA), Recife (PE), Natal (RN) e Fortaleza (CE). No Rio de Janeiro, a obra é na ampliação do cais.

O secretário-executivo da Secretaria Especial de Portos, Mário Lima Júnior, afirma que as obras estarão prontas antes da Copa de 2014. “Esses terminais já estarão sendo inaugurados entre julho e novembro de 2013. Logo, essa infraestrutura portuária de apoio a esses grandes eventos terão plena condição de atendimento complementar à hospedagem de turistas.”

Críticas
O ex-deputado e suplente Alberto Mourão (SP), que sugeriu a realização da audiência pública, não ficou satisfeito com o resultado do encontro. Para ele, as dúvidas sobre a real possibilidade de os navios serem usados como hospedagem não foram esclarecidas.

“Falou-se tanto que os navios viriam para a Copa, mas não se conversou com a Abremar e não se conversou com os armadores internacionais. Então, automaticamente não existe a possibilidade de os navios virem pra cá”, disse Mourão. “Essa falta de informação me faz sinalizar que é só um discurso.”

O deputado Romário (PSB-RJ) questionou, ainda, a disponibilidade de navios permanecerem no Brasil durante a Copa. Segundo ele, apenas 10% dos navios de grande porte que atuam no litoral brasileiro ficam no País nesse período, por conta do inverno.

Da Rádio Câmara
Edição – Daniella Cronemberger