Mundo muçulmano manda EUA pararem imediatamente com os bombardeios

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 9 de outubro de 2001 as 12:19, por: cdb

O presidente do Irã, Mohammad Khatami, disse nesta terça-feira, em cadeia nacional de rádio, que o mundo muçulmano determina que os Estados Unidos parem imdediatamente os bombardeios ao vizinho Afeganistão. Segundo a rádio estatal iraniana, o presidente afirmou que as tragédias no Afeganistão são causadas por governos cruéis e o tráfico de drogas.

– Milhares de pessoas não devem morrer sob o pretexto de combater o terrorismo.

Milhares de iranianos saíram às ruas em protesto contra os ataques norte-americanos ao Afeganistão. Sob ordens do líder religioso Aiatolá Ali Khamenei, o manifestantes gritavam “Morte à América” e “Morte a Israel”.

ONU admite a morte de quatro funcionários

Quatro funcionários afegãos da Organização das Nações Unidas morreram e quatro ficaram feridos em Cabul, na noite de segunda-feira, quando o prédio em que se encontravam foi atingido por um míssil lançado pelos Estados Unidos, confirmaram porta-vozes da ONU na manhã desta terça-feira.

Explosões foram também ouvidas na cidade de Kandahar, na madrugada desta terça-feira, no que pareceu ter sido o primeiro bombardeio à luz do dia desde que os EUA e a Grã-Bretanha lançaram sua ofensiva militar contra o regime afegão do Talibã e a organização Al Qaeda, de Osama bin Laden, no domingo passado.

O correspondente da CNN no Afeganistão Kamal Hyder informou que o aeroporto de Jalalabad também foi atingido nos bombardeios da noite passada.

Em Cabul, equipes de resgate afegãs começaram a remover os escombros do prédio da ONU atingido no bombardeio, em busca dos corpos das quatro vítimas fatais.

Um guarda, que ficou ferido na explosão, disse que todos dormiam quando o prédio foi atingido, de madrugada.

As vítimas trabalhavam para uma agência responsável por desativação de minas explosivas no Afeganistão.

Moradores de casas vizinhas disseram acreditar que um míssil cruise tenha destruído o prédio.

Na sede da ONU, em Nova York, porta-vozes da organização lançaram um apelo para que civis sejam poupados nos bombardeios.

Os governos dos EUA e da Grã-Bretanha haviam afirmado que seus bombardeios visam exclusivamente alvos militares do Talibã e de Al Qaeda e que fariam todo o possível para evitar a perda de vidas inocentes.