Mulher do interior do Piauí comemora 100 anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 10 de maio de 2003 as 10:23, por: cdb

A palavra “comemorar” vem do latim “commemorare” e, ao contrário do que se pensa, não quer dizer apenas “festejar” ou “celebrar”. Comemorar significa “trazer à memória, relembrar, recordar”. Não apenas isso: ao radical “memorar”, juntou-se o prefixo “co”, no sentido de “junto”, “coletivo”.

Assim sendo, Genuína Maria da Conceição tem tudo a rememorar. No último final de semana, a cidade de União, no Piauí, festejou os 100 anos de vida dessa aposentada, história que está preservada na memória da Previdência Social.

No local onde vive, em Melancias, a 18 quilômetros de União, ela trabalhou na roça dos 12 aos 69 anos. Entre os babaçuais está boa parte da vida dessa centenária. Lá, ela criou os sete filhos sem a presença do pai. O mais velho deles está com 75 anos. Atualmente, ela possui 33 netos, 21 bisnetos e um tataraneto.

Mesmo aos 100 anos, Genuína faz questão de trabalhar nas tarefas de casa, catando arroz, quebrando coco babaçu e costurando. Com saúde “de ferro”, ela nunca foi ao médico. Todos os partos foram realizados em casa.

Há 31 anos, Genuína é mantida pela Previdência Social. Na época em que deu entrada no benefício, em 1972, o trabalhador rural recebia meio salário mínimo como pagamento da aposentadoria. A mudança veio com a Constituição de 1988, quando nenhum benefício ficou abaixo do salário mínimo.

Para comemorar os 100 anos, Genuína preferiu agradecer a Deus, junto com a comunidade. A Igreja Matriz de União, onde nasceu, estava repleta de amigos e familiares. Durante a celebração, ela recebeu a primeira comunhão.

Para essa centenária, a velhice revela coisas maravilhosas, como perceber os verdadeiros valores da vida. Aos 100 anos, ela está lúcida, goza de boa saúde, boa memória e tem uma receita para quem quer chegar à sua idade: “deixo a vida me levar numa boa, sorrindo e temendo a Deus,” revela.