Muitos não aderiram a campanha do ‘Dia Mundial sem Carro’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 22 de setembro de 2003 as 23:12, por: cdb

Em São Paulo, que possui 5 milhões de automóveis, o Dia Mundial sem Carro passou em branco. A Prefeitura não aderiu e poucos sabiam da campanha. Resultado: o pico de lentidão pela manhã, 88 quilômetros às 9 horas, foi igual ao da segunda-feira passada.

Em Curitiba, o volume de carros no centro da cidade diminuiu cerca de 42%. No entanto, a prefeitura teve que isolar 86 quadras para conseguir a redução. Comparando com a última segunda-feira, a prefeitura estima que trânsito contou com 100 mil carros a menos. A exemplo de Curitiba, a capital baiana também impediu a circulação de carros no centro histórico da cidade.

Em Campinas, a comemoração da data foi antecipada para domingo. O evento marcou o início da Semana Municipal de Trânsito. “Antecipamos o dia sem carro para coincidir com a abertura da Semana do Trânsito”, disse o diretor de Desenvolvimento e Planejamento da Secretaria Municipal de Transportes, Ayrton Camargo e Silva.

Ele reconheceu que a medida não teve muito efeito prático no domingo, quando a quantidade de carros nas ruas reduz sensivelmente.

Personalidades

Em Brasília, a ministra Marina Silva gastou 10 minutos de caminhada, 15 minutos de espera em um ponto de ônibus e mais 15 minutos até chegar ao trabalho, no prédio do Ministério do Meio Ambiente. “Ao vir para o trabalho hoje pela manhã de ônibus, mais uma vez tive a confirmação de que andar de transporte coletivo tem suas vantagens particulares”, disse Marina.

Em Curitiba, o secretário do Trabalho e Promoção Social do Estado do Paraná, Padre Roque Zimmermann, apareceu de agasalho na reunião do secretariado. Ele percorreu a pé os cerca de 6 quilômetros que separam sua casa, no Parque Barigüi, do Centro Cívico.

Já o prefeito Cassio Taniguchi foi trabalhar, pela primeira vez, de ônibus. Diz ter gostado da experiência. Afinal, levou apenas 15 minutos para se deslocar de sua casa até a prefeitura, quando demora 8 minutos de carro.

A circulação de carros no centro de Paris foi proibida e a prefeitura emprestou cerca de 200 bicicletas. Na capital colombiana, Bogotá, motoristas foram obrigados a deixar os carros em casa, sob pena de multa, pela segunda vez no ano. A medida rendeu críticas à administração local.