MST nega trégua e se diz otimista após encontro com Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 2 de julho de 2003 as 16:05, por: cdb

Os líderes do Movimento dos Sem-Terra (MST) deixaram a reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta quarta-feira, otimistas quanto à realização de uma reforma agrária ampla e massiva no país, já a partir deste segundo semestre.

Eles qualificaram o encontro como altamente produtivo e prometeram levar aos trabalhadores rurais uma mensagem de esperança para aliviar as tensões no campo.

– Saímos confiantes. Agora sai [a reforma agrária]: essa é a palavra de hoje que levaremos aos nossos assentamentos, acampamentos e bases – disse Gilmar Mauro, coordenador nacional do movimento.

O MST apresentou uma ampla pauta de reivindicações ao presidente e conseguiu do governo a garantia da realização do levantamento de todas as terras públicas que podem ser desapropriadas no país.

O movimento também notou no presidente a disposição de desburocratizar o processo de desapropriação de terras. Outros avanços saudados pelo MST foram o compromisso do governo de fortalecer o Incra e o estudo para a criação de um crédito especial para a reforma agrária.

Apesar dos avanços e do clima de otimismo, os líderes do movimento evitaram assumir compromissos com o fim das ocupações, alegando que elas fazem parte da estratégia de luta dos trabalhadores rurais, como forma fazer acelerar as mudanças.

Segundo Gilmar Mauro a luta social não pode parar, mesmo em se tratando de um governo aliado, e é possível que, sempre que for necessário, haja novas ocupações, marchas e ações contra os latifúndios.

– Não discutimos trégua, nem que não vai haver ocupações. Se elas acontecerem, não afrontam o compromisso construído com o presidente – ressalvou o dirigente.