MST continua marcha e ministro impõe condições para negociar com sem-terra

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de outubro de 2001 as 16:42, por: cdb

Os cerca de 200 sem-terra ligados ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) que marcham rumo à fazenda dos filhos do presidente Fernando Henrique Cardoso, em Buritis (noroeste de Minas Gerais), pretendem chegar na noite desta quinta-feira ou na sexta de manhã.

Eles saíram do centro de Buritis na tarde de terça-feira e, segundo a Polícia Militar, acamparam à noite a cerca de 30 km da fazenda. A direção do MST disse que ainda não decidiu se vai acampar na frente da fazenda ou tentar invadi-la.

Jungmann só negocia com sem-terra fora da fazenda de FHC

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, determinou ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) que só retome as negociações com o MST após integrantes do movimento desistirem de ir para a fazenda dos filhos do presidente Fernando Henrique Cardoso, a Córrego da Ponte.

Ontem, cerca de 200 sem-terra marchavam rumo à fazenda, na periferia de Buritis (noroeste de Minas Gerais).

Eles pretendiam chegar nesta noite ou amanhã de manhã à localidade. Mas, no final do dia, os líderes da marcha afirmaram que não tinham certeza se prosseguiriam até a fazenda. De acordo com eles, há possibilidade de que outra propriedade seja invadida.

Os sem-terra haviam saído do centro de Buritis na tarde de anteontem e, de acordo com a Polícia Militar, estavam acampados ontem à noite em uma área que fica a cerca de 30 km da fazenda dos filhos do presidente.

A liderança dos sem-terra sabe que a Córrego da Ponte está cercada desde a segunda-feira por 340 homens do Batalhão da Guarda Presidencial, mas afirma que os sem-terra só desistem da caminhada se o governo enviar representantes a Buritis para negociar uma pauta de reivindicações da categoria.