Mozarildo vincula crescimento econômico ao fortalecimento da democracia 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de março de 2011 as 14:11, por: cdb

O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) disse nesta quinta-feira (24) que o desenvolvimento alcançado nos 20 anos do Mercosul parece ter um vínculo maior com o avanço da democracia no continente do que com fenômenos de ordem puramente econômica. Ele assinalou que os maiores avanços do bloco coincidiram com os momentos em que se reconstruía a democracia.

– Da Declaração do Iguaçu, de 1985, ao Tratado de Integração, Cooperação e Desenvolvimento, do final de 1988, quase na mesma época da promulgação da nossa Constituição, o processo foi acelerado. Coroando tudo, a assinatura do Tratado de Assunção, em 26 de março de 1991, já no governo do presidente Collor, com a adesão de Paraguai e Uruguai, também egressos de períodos autoritários.

Mozarildo observou que a necessidade de defesa da democracia já foi percebida logo nos primeiros momentos da criação do Mercosul. Ele citou a Declaração Presidencial de Las Leñas, de 1992, que tornou indispensável a plena vigência de instituições democráticas para a existência e crescimento do Mercosul, e salientou que existia uma agenda em que o progresso material tinha como objetivo a sustentação mútua dos regimes democráticos.

O senador assinalou que estudiosos classificaram o fenômeno como “papel securitário do Mercosul”, que , tão importante quanto os papéis de garantir o crescimento das economias envolvidas, seria aumentar o poder de barganha dos países nas negociações internacionais e, em consequência, projetar uma nova potência regional. Ele lembrou que a defesa da democracia exigiu uma ação mais enérgica para impedir o retrocesso político no Paraguai.

– Esse é um tema sobre o qual jamais podemos descansar. Na ocasião dos debates parlamentares sobre a adesão da Venezuela, já tive oportunidade de me manifestar defendendo a aprovação, mas ressalvando que não via com bons olhos práticas antidemocráticas adotadas pelo atual governante daquele país. Os resultados pífios que a Venezuela vem alcançando do ponto de vista econômico são paralelos à dissolução das instituições democráticas, notada por observadores de todo o mundo – afirmou.

Da Redação / Agência Senado