Mototaxista de Franca morre após pescoço ser cortado por cerol

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de janeiro de 2005 as 16:21, por: cdb

O mototaxista João Vicente Filho, de 46 anos, morreu no final da tarde de segunda-feira, após ter o seu pescoço cortado por uma linha de pipa com cerol (cacos de vidro moídos misturados com cola), numa avenida do Parque Progresso, em Franca, a 400 quilômetros de São Paulo. Ele ainda foi socorrido pelo motorista que conduzia o veículo de uma funerária, mas chegou morto à Santa Casa. Seu corpo foi enterrado hoje.

Dois adolescentes que soltavam pipas, e disputavam quem cortaria a linha do outro, foram identificados e serão apresentados na quarta-feira pelas famílias no 4º DP, para prestarem declarações sobre o fato. Eles também serão encaminhados ao juiz da Infância e da Juventude, José Arimatéia.

Vicente Filho, mesmo ensangüentado, ainda conseguiu levantar-se e pedir socorro ao motorista da funerária, Aécio Rodrigues Freitas. Apesar disso, o mototaxista não resistiu e morreu poucos minutos depois.

O delegado de plantão, Pedro Luís Dallacqua registrou o boletim de ocorrência como homicídio culposo (sem intenção) e os adolescentes foram liberados. O delegado do 4º DP, Jairo Antonio dos Santos, que ouvirá hoje (19) os adolescentes, ambos com 17 anos, disse que a autuação poderá mudar para homicídio doloso eventual, caso os jovens tivessem consciência dos riscos do uso do cerol.

– Foi feita uma intensa campanha contra o cerol na cidade – explica Santos.