Motociclistas pedem a volta das cabines preferenciais na Ponte

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 2 de maio de 2006 as 09:45, por: cdb

Presidente da Associação dos Motociclistas do Estado do Rio (AMO), Aloisio Braz reuniu-se, nesta terça-feira, com a administração da Ponte Rio-Niterói. Ele entregou o pedido formal, assinado pela instituição, em nome de todos os motociclistas do Estado, para o retorno das placas que garantiam a preferência para motos nas cabines seis e sete da Praça de Pedágio da Ponte Rio-Niterói. Segundo Braz, diversos acidentes e agressões por parte dos motoristas contra os motociclistas têm ocorrido nos últimos meses, porque as motos cruzam na frente dos carros que aguardam na fila para passarem pelas cabines.

– Poucos sabem que a maioria das motocicletas é refrigerada a ar e a parada na fila por longo tempo pode provocar o superaquecimento das motos. Enquanto o motor não esfriar, a moto tem que ser empurrada até a cabine paga pagamento do pedágio, causando ao motociclista um grande transtorno e reclamações por parte dos usuários do veículo – disse Braz a jornalistas.

A AMO pediu também providências para o problema da sujeira acumulada junto às cabines, onde o óleo dos carros que fica acumulado e se transformam em uma ameaça aos motociclistas, principalmente em dias de chuva. Segundo dados da Ponte S.A., cerca de 3,5 mil motociclistas passam pelo pedágio diariamente. A AMO estima que este número representa uma arrecadação diária de R$ 6 mil com o pedágio das motos, que não pagam pedário na Nova Dutra e na RJ-116 (Niterói-Friburgo).

Manifestação

Na manhã desta terça-feira, uma manifestação tumultuou o trânsito na Ponte. Ativistas do Grupo Pró Movimento de Encampação da Ampla realizou, pela manhã, um protesto no viaduto que dá acesso à Ponte Rio/Niterói, sentido Rio, próximo ao estaleiro Ebin, em Niterói. Vereadores de São Gonçalo e o deputado Reinaldo Betão pedem intervenção na Ampla. Houve congestionamento devido ao protesto.