Morre o maior teórico da Administração, Peter Drucker

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 12 de novembro de 2005 as 13:29, por: cdb

Peter Drucker, um dos maiores teóricos de gestão, morreu na manhã de sexta-feira de causas naturais em sua residência em Claremont, na Califórnia, disse um porta-voz da Universidade de Claremont. Drucker tinha 95 anos. Jornalista e intelectual nascido na Áustria, Drucker é considerado o inventor da administração como área de estudo. Sua carreira durou quase 75 anos, durante os quais ele escreveu 39 livros, desde “O Fim do Homem Econômico”, de 1939, até o seu último livro, “O Executivo Eficiente em Ação”. A obra, de co-autoria com Joseph Maciariello, será publicada no início de 2006.

A administração, disse certa vez, “lida com pessoas, seus valores, seu crescimento e desenvolvimento, estrutura social, a comunidade e até com preocupações espirituais”. Um componente central de sua filosofia era sua visão de que as pessoas são o recurso mais valioso de uma organização, uma idéia revolucionária quando foi proposta por ele na década de 1950. Drucker previu a chegada do que ele chamou de “a era do profissional do conhecimento”, de acordo com a universidade.

Ele também mostrou ter um olho clínico para observar as tendências de administração e negócios: nos anos 50, prevendo que os computadores seriam importantes; nos anos 60, a vantagem competitiva do Extremo Oriente; e nos anos 90, a reação contra os altos salários de executivos.

– O que distinguiu Peter Drucker de muitos outros pensadores é que ele se importava não apenas com a gestão dos recursos, mas também com a forma como as organizações públicas e privadas operam moral e eticamente na sociedade – disse Cornelis de Kluyver, diretor da Escola Superior de Administração Peter F. Drucker e Masatoshi Ito em Claremont.

Drucker tinha sido professor de Ciências Socias e Administração em Claremont, no sul da Califórnia, de 1971 a 2003. Ele não ministrava aulas desde 2003, mas continuou como consultor da faculdade até sua morte.

Drucker deixa a esposa, Doris, seus quatro filhos e seis netos, informou a universidade.