Moradores promovem manifestações e fecham BR-040 em MG

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 10 de outubro de 2003 as 01:53, por: cdb

Mais de mil moradores de Paraopeba, na Região Metalúrgica, a 95 quilômetros de Belo Horizonte, promoveram duas manifestações na manhã da última quinta-feira, interrompendo o tráfego na movimentada BR-040, ligação entre a capital mineira e Brasília.

Comerciantes, professores, estudantes, representantes da Justiça da comarca, motoristas e parentes de vítimas de acidentes de trânsito na rodovia bloquearam o tráfego no quilômetro 440, lugar considerado o mais perigoso da rodovia na região, exigindo a duplicação da BR entre Sete Lagoas e Paraopeba.
 
As manifestações foram acompanhadas por militares da PM e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e, apesar de ter provocado paralisações de mais de dois quilômetros nos dois sentidos, nenhum incidente foi registrado.

Os manifestantes conseguiram paralisar o tráfego, principalmente de carretas, para entregar aos motoristas e passageiros panfletos exigindo a duplicação do trecho de 48 quilômetros considerados críticos por causa da constância de acidentes.
 
Segundo pesquisas divulgadas pela coordenadora do movimento, Marli de Jesus Félix, com base em informações da PRF, a rodovia registra um acidente a cada 36 horas. Nos panfletos distribuídos na estrada, os manifestantes relacionam os nomes de 14 pessoas que moravam em Paraopeba e morreram na 040, além de outras 13 vítimas de ferimentos em acidentes na estrada.
Estudantes da cidade, principalmente crianças, participaram do movimento que, depois de bloquear o tráfego no quilômetro 440, em frente à sede da Associação beneficente Paulo de Tarso, deslocou-se para o trecho de acesso ao centro de Paraopeba, no quilômetro 442. Milhares de panfletos foram distribuídos durante a manifestação, que chamou a atenção da população local.

No texto distribuído, os manifestantes pediram que ‘as autoridades se dignem a duplicar o trecho no menor prazo possível, ou enquanto esperamos que seja feita uma manutenção condizente com o trânsito recebido nesse trecho ( conservação da pista, placas de advertência em locais visíveis, capina, placas de velocidade máxima nos locais críticos e instalação de mais redutores de velocidade)’.

– A Prefeitura de Paraopeba vê essa situação como de extrema importância e já manteve vários contatos com o Dnit – Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte – para que o trecho seja duplicado, para que não haja mais acidentes –  afirmou o vice-prefeito da cidade, Sérgio Elian Moreira (PP).

– As nossas reclamações e o perigo representado por essa estrada já provocaram algumas providências, pois os buracos na pista foram tapados e o Dnit vai implantar sinalização fosforescente (olho de gato) nos trechos mais perigosos, como curvas, proximidades de pontes e lugares onde, à noite, a visibilidade é prejudicada – complementou.

A Assessoria de Imprensa do Dnit em Minas assegurou que existe projeto em estudo para o trecho, com possibilidade de duplicação, sem previsão de data para isso.