Moradores do Grajaú acusam policiais de extorsão e espancamento

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 17 de junho de 2003 as 02:42, por: cdb

Revoltados porque comerciantes do Morro Nova Divinéia, no Grajaú, se recusaram a pagar propinas, um grupo de homens fardados espalhou o terror no local, na madrugada de domingo.

O presidente da associação de moradores da favela, Ronaldo de Sena Santos, foi ameaçado de morte e obrigado a abandonar sua casa, com a família. Segundo testemunhas, os invasores eram do 9º BPM (Rocha Miranda), entraram no local atirando e espancaram moradores. A comunidade fica na jurisdição de outro quartel, o 6º BPM (Tijuca).

Nesta segunda os moradores da Divinéia foram até a Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa e fizeram um relato da madrugada de terror.

As denúncias serão encaminhadas pelos deputados ao corregedor-geral das polícias, João Luiz Duboc Pinaud, ao secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, e aos secretários nacionais de Segurança Pública e Direitos Humanos, Luiz Eduardo Soares e Nilmário Miranda, respectivamente.

Segundo contaram as testemunhas, três policiais, com fardas do 9º BPM, chegaram à comunidade às 2h50, a pé. Outros quatro se juntaram a eles, mais tarde. Naquele momento, havia uma festa junina.

– Eles chegaram gritando e atirando para o alto. Depois, quebraram garrafas de bebidas e começaram a espancar os moradores. Alguns deles foram obrigados a botar as mãos abertas no meio-fio, enquanto os policiais batiam com o cano dos fuzis – contou um morador.

Mas o objetivo maior era localizar o presidente da associação de moradores. “Ele tinha que estar aqui para a gente arrebentar a cara dele”, teria dito um policial, segundo o mesmo morador.

Por volta das 5h, policiais do 6º BPM usando uma Blazer e as patrulhas identificadas pelos números 520-440 e 520-120 chegaram ao local e ficaram com os PMs do 9º BPM até as 9h.