Moradores cercam a casa de policial acusado de matar mestre de bateria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 22 de setembro de 2003 as 05:27, por: cdb

Cerca de 400 pessoas fecharam na noite do último domingo a avenida Sapopemba, próximo ao número 8.500, na Zona Leste de São Paulo, e cercaram a casa do policial civil Ilídio Augusto Crespo Filho, de 40 anos, na Rua Manoel de Arruda Castanho, na mesma região.
 
Ilídio é apontado pelos moradores como autor do assassinato de Eloy Silva, mestre de bateria da Escola de Samba Combinados do Sapopemba, no último sábado.

A avenida foi bloqueada com paus. Madeira e pneus que foram queimados. Revoltados, os moradores queriam invadir a residência do policial. Vários carros do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) e Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil cercaram a casa.

O carro Ômega azul de José de Jesus Crespo, de 43 anos, que também é policial e irmão do acusado, foi destruído pelos moradores. Os pais do policial, Ilídio Augusto Crespo e Maria Ranch Crespo, foram agredidos a pauladas, mas não se feriram gravemente.

O assassinato do mestre de bateria ocorreu na frente da casa do policial, que teve três armas apreendidas pela corregedoria da Polícia Civil que apura as denúncias.

Dez horas antes de Eloy ter sido morto, o procurador geral de Justiça, Luis Antônio Guimarães Marrey, foi a uma audiência pública no bairro de Sapopemba ouvir relatos de moradores sobre violência policial na região.