Montevidéu inaugura primeira ‘praça gay’ da América Latina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 3 de fevereiro de 2005 as 18:40, por: cdb

A primeira praça da América Latina em homenagem à diversidade sexual foi inaugurada em Montevidéu, no Uruguai.

Montevidéu é a quarta cidade no mundo a ter uma “praça gay”, junto com Nova York e São Francisco, nos Estados Unidos, e Amsterdã, na Holanda.

A praça contém um monumento de granito triangular com a inscrição “Honrar a diversidade é honrar a vida: Montevidéu pelo respeito a todo gênero, identidade e orientação sexual”.

Segundo o ativista Fernando Fontán, o monumento faz referência ao triângulo que era colocado pelos nazistas para identificar os homossexuais.

– Os judeus precisavam usar uma estrela de Davi, os homossexuais um triângulo rosa e as lésbicas e prostitutas, um preto – disse ele.

A iniciativa, proposta por vários grupos ativistas, foi levada ao prefeito de Montevidéu, o arquiteto Mariano Arana, e contou com o apoio das autoridades municipais.

Arana condenou todo o tipo de agressão e disse que “guerras preventivas e assassinatos seletivos” são abomináveis.

– Se hoje a reivindicação dos direitos de gays, lésbicas e travestis é necessária com lugares como este é porque esse direito natural não é reconhecido por toda a sociedade – disse Diana Mines, do Comitê Executivo da Anistia Internacional no Uruguai.

A inauguração da praça na quarta-feira contou com a presença de autoridades do governo de Montevidéu, representantes de diversas entidades que reivindicam a diversidade sexual e ativistas internacionais.

Entre eles estava Víctor Hugo Robles, que se definiu como “o Che Guevara dos gays chilenos” e já percorreu toda a América Latina defendendo sua causa.

Robles disse que viajou ao Uruguai como parte “da luta pelas causas das minorias sexuais”.

Mario Carrión, da Suíça, declarou estar assistindo:

– A um ato de importância para o mundo todo.

E afirmou que os gays agora:

– Têm o privilégio de contar com um lugar onde podem falar e ter voz.

Em 2003, entrou em vigor uma modificação no Código Penal do Uruguai que equiparou a violência e o preconceito pela orientação e identidade sexual a outras formas de violência discriminatórias que já eram condenadas.

Nesta quinta-feira, a praça receberá vários músicos para um show de caráter solidário.