Míssil destrói prédio da Cruz Vermelha e EUA reforçam ataque ao Afeganistão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 16 de outubro de 2001 as 15:34, por: cdb

Um armazém da Cruz Vermelha foi atingido por um míssel norte-americano durante um ataque aéreo, em Cabul, capital do Afeganistão.
Suprimentos de trigo e outros artigos destinados aos refugiados foram destruídos durante o ataque.

Segundo a Cruz Vermelha, um funcionário afegão da organização ficou seriamente ferido. Um porta-voz da instituição afirmou que o conjunto atingido fica a cerca de um quilômetro do aeroporto, mas estava claramente identificado como sendo da organização.

Resgate

De acordo com informações da agência de notícias Associated Press (AP), depois do ataque ao prédio da Cruz Vermelha, os funcionários afegãos da organização tentaram resgatar parte dos suprimentos estocados no armazém.

Eles cobriram o rosto com as roupas e entraram no local, no meio da fumaça escura resultante dos ataques. Os funcionários saíram dos depósitos com cobertores, medicamentos e barracas.

Segundo o chefe de segurança, Mullah Rohani, dois depósitos da Cruz Vermelha foram destruídos.

“Estamos tristes pois o que foi destruído pertencia ao povo”, disse.

Armamento pesado entra em ação

O Exército dos Estados Unidos começou a usar aeronaves de baixa velocidade e que voam mais baixo para atacar o Afeganistão. Segundo informações do governo ao canal de televisão americano Fox News, os militares estão utilizando o avião das forças especiais, o AC-130, junto com helicópteros de unidades de elite para as missões de ataque.

De acordo com o governo americano, estas missões com armamentos mais pesados têm por objetivo atingir a Brigada 55, as forças especiais do Talebã, que ficam no sul de Kandahar.

Um canal de televisão russo afirmou que a missão contra a Brigada 55 – unidade formada por 500 voluntários árabes considerados os principais soldados das forças do Talebã – começou na noite de segunda-feira.

Poder de fogo

O AC-130 é uma das aeronaves mais letais dos Estados Unidos, especialmente projetada para rastrear pequenos grupos de soldados ou comboios de veículos.

Uma correspondente da BBC no norte do Afeganistão afirma que o uso destes aviões pode ser o sinal de que os Estados Unidos têm certeza de que as defesas aéreas do Talebã foram totalmente destruídas.

Esta também pode ser uma prévia para o envio de forças terrestres para o país.

O Talebã tem sido atacado em vários alvos, como bases militares e aeroportos nos arredores da capital, Cabul, ou na fortaleza da milícia, em Kandahar – que fica no sul do país. A cidade de Mazar-e-Sharif também foi atingida.

Uma autoridade do Ministério da Informação do Talebã, Abdul Himat, disse que o ataque da noite de segunda-feira em Kandahar – onde o AC-130 foi usado pela primeira vez – matou 13 civis. A informação não pode ser verificada por fontes independentes.

Os bombardeios intensos de segunda-feira atingiram o norte de Cabul e os arredores do aeroporto da cidade, locais onde soldados do Talebã estariam concentrados e a milícia teria depositado armas.

O canal de televisão Al-Jazeera, baseado no Catar, afirmou que duas áreas residenciais também foram atingidas pelos ataques.

Fugitivos

Afegãos fugindo para o Paquistão para escaparem dos ataques contam a respeito da destruição em suas cidades.

“Eu vi corpos de mulheres e crianças sendo retirados dos escombros de suas próprias casas”, disse Abdul Walli, um dono de loja de Kandahar, à agência de notícias Reuters quando chegou à cidade paquistanesa de Quetta.

As lojas fecharam mais cedo em Cabul e os suprimentos de combustível são pequenos, fazendo com que o preço aumente.

Em um hospital de Cabul, os médicos afirmaram que os cortes na eletricidade que têm ocorrido durante a noite estão ameaçando a vida de bebês que precisam ficar em incubadoras.