Missão do BID avalia crédito ao Fome Zero

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 28 de novembro de 2002 as 13:16, por: cdb

Uma missão com técnicos do Banco Mundial, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e da FAO, organismo da Organização das Nações Unidas (ONU) responsável pelo combate à fome mundial, chega ao Brasil na próxima segunda-feira para avaliar as possibilidades de concessão de crédito ao programa Fome Zero, lançado pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva. A missão vai avaliar também a viabilidade da idéia do PT do chamado Câmbio Verde, ou escambo, pela qual haveria uma troca de alimentos produzidos entre os países do Mercosul.

O anúncio sobre a vinda da missão foi feito pelo coordenador do programa, José Graziano, e pelo representante da FAO no Brasil, José Tubino, durante seminário sobre a tendência do cooperativismo contemporâneo promovido pela Organização das Cooperativas do Brasil (OCB).

Segundo Tubino, os técnicos da missão ficarão no Brasil por dez dias avaliando as 25 políticas e 41 programas do Fome Zero e verificar o montante de linhas de financiamento para o combate a fome no Brasil. José Tubino disse que a FAO tem enorme interesse em ajudar o futuro governo porque o Fome Zero vai ao encontro dos interesses da cúpula mundial de alimentação para o combate à fome no mundo. “Como o Brasil assumiu a liderança de combater a fome ao lançar o Fome Zero, a FAO apóia o Brasil nesta cruzada”, disse Tubino.

José Graziano admitiu que o governo Lula vai encontrar dificuldades adicionais para implantar o Fome Zero em função da baixa produção de alimentos básicos do programa – arroz, feijão e leite -, situação agravada pela seca deste ano. Ele informou que para enfrentar tal problema o PT está contatando cooperativas agrícolas, inclusive uma ligada ao MST, que já se dispuseram a trabalhar para aumentar a produção. Segundo ele, com o atual nível de produção agrícola dá para implantar a totalidade do programa Fome Zero.

Quanto à idéia do Câmbio Verde, José Graziano disse que alguns países da Comunidade Européia já realizam com sucesso esse processo de troca. Ele citou como exemplo o caso do trigo, produto em que há excedentes de produção na Argentina e que poderia ser trocado com um outro produzido no Brasil através de um encontro de contas que seria viabilizado por uma moeda contábil.