Ministros do Mercosul querem preservar a diversidade cultural

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 5 de junho de 2003 as 02:49, por: cdb

Os ministros da Cultura do Mercosul defenderam nesta quarta-feira, em Assunção, a criação de uma convenção internacional para preservar a “diversidade cultural” dos países do bloco.

Durante a XVI Reunião dos Ministros da Cultura do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) e de seus associados Chile e Bolívia, os participantes concordaram em instruir as autoridades de seus países a preparar e aprovar uma Convenção Internacional para a Diversidade Cultural com a apoio da Unesco.

Os ministros também decidiram apontar o Chile como “país piloto no estudo sobre os direitos sociais dos artistas do Mercosul, Bolívia e Chile”.

O grupo aprovou ainda a realização de um fórum de autoridades cinematográficas e audiovisuais dentro da reunião de ministros da Cultura, e um encontro de diretores de arquivos “para preservar a história da região”.

Durante o encontro, o ministro brasileiro da Cultura, Gilberto Gil, destacou a importância de uma “identidade própria diante do avanço da globalização”.

Os ministros também fixaram para a região da Tríplice Fronteira (Brasil, Paraguai e Argentina) a realização de uma agenda cultural à altura do grande intercâmbio comercial na zona, onde vivem cerca de 70 etnias de todo o mundo.

Para afastar a “má fama” que envolve a região da Tríplice Fronteira, as autoridades culturais resolveram promover o “Primeiro Festival Internacional de Teatro das Três Fronteiras”, previsto para o período de 20 a 25 de junho, em Puerto Iguazú (Argentina), Ciudad del Este (Paraguai) e Foz do Iguaçu.

Da reunião em Assunção participaram Gilberto Gil, Torcuato di Tella, secretário de Cultura da Argentina; Blanca Ovelar Duarte, ministra da Educação e Cultura do Paraguai; Leonardo Guzmán, ministro da Educação e Cultura do Uruguai; Paz Padilla, ministro da Educação e Cultura da Bolívia; Claudio di Girolamo, chefe da divisão de Cultura do Ministério da Educação do Chile, e Osvaldo González Real, vice-ministro da Cultura do Paraguai.