Ministro da Justiça quer erradicar a maconha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 19 de dezembro de 2016 as 08:58, por: cdb

Enquanto os Estados Unidos, responsável pela fracassada política de guerra às drogas, legaliza, aos poucos, o cultivo e a distribuição de maconha em vários de seus estados, o ministro da Justiça Alexandre de Moraes pretende que um dos objetivos do Plano Nacional de Segurança seja acabar com o comércio e o uso da planta por aqui. Estuda, inclusive, parcerias com outros países da América do Sul para atacar a produção de maconha

 

Por Leonardo Sakamoto – de São Paulo:

O ministro é uma pessoa inteligente. Sabe que é impossível acabar com a demanda e oferta de maconha por aqui. E entende que, ao redor do mundo, há uma tendência apontando para a sua liberação e não proibição. A política de combate ao psicoativo tem sido usada para encher prisões, fomentar o comércio ilegal de armas, sustentar a corrupção policial, possibilitar o controle sobre determinadas classes sociais.

Ministro da Justiça Alexandre de Moraes
Ministro da Justiça Alexandre de Moraes

Contudo, o objetivo dessa ação pode não ser erradicar a oferta de maconha, mas cacifar o ministro para novos voos políticos. Como a disputa do governo do Estado de São Paulo em 2018.

Enquanto ele provoca ranger de dentes em quem conhece as estatísticas que mostram que os danos causados pelo combate à maconha são muitos maiores que os problemas trazido pelo psicoativo em si, arranca suspiros e gritos de apoio de parte da população que acredita no discurso de que o uso da maconha é a porta de entrada para o apocalipse e a destruição da família. E se ele conseguir vender a ação como uma ”guerra” do ”bem contra o mal”, pode angariar força para disputar o Palácio dos Bandeirantes.

E ajudar em votos postulantes à Presidência da República próximos a ele.

– Se há uma relação clara entre violência e drogas no Brasil. Ela está na dinâmica interna do mercado ilícito e na guerra policial a esse mercado – afirma Maurício Fiore. Coordenador científico da Plataforma Brasileira de Política de Drogas e pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). ”E ainda temos que pensar no outro fenômeno que é incubador de violência: o encarceramento. Mais de um quarto dos encarcerados no Brasil respondem por tráfico de drogas.”

Legalização

Parte das pessoas que proferem à exaustão argumentos contrários à legalização da maconha não fazem ideia do que estão falando. Repercutem discursos de medo e pavor que lhes são incutidos desde cedo. Ajudam a endossar coletivamente essa política e os sistemas que lucram com elas.

Na verdade, a maconha já é liberado no Brasil. Conseguimos comprar em todos os lugares. A legalização levaria à regulamentação desse mercado que. Hoje, funciona como uma terra sem lei.

Mudanças de comportamento causados por dependência química podem atingir todos os tipos de substâncias. Das consideradas legais e as arbitrariamente consideradas ilegais. Mas nem por isso devemos proibir totalmente álcool, tabaco e açúcar refinado. Afinal, ”droga é aquilo que o outro usa”, como explica Maurício Fiore.

Enquanto isso, seguimos uma política que vê a dependência química como ato criminoso e não uma questão de saúde pública. Mantendo uma ditadura imbecil sobre o corpo do indivíduo.

Ironicamente, tendo em vista o sucesso econômico da legalização da maconha para uso recreativo em alguns estados norte-americanos. Da quantidade de dinheiro que estão ganhando por lá com isso. É capaz de que o velho mercado seja uma das molas que impulsionem mudanças por aqui.

Isso, é claro, se a política e os políticos não atrapalharem.

Leonardo Moretti Sakamoto é um jornalista brasileiro. Além da graduação em jornalismo, possui mestrado e doutorado em ciência política pela USP

Comments are closed.