Ministra reitera necessidade de esclarecimento de circunstâncias da morte de Duvanier

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 25 de janeiro de 2012 as 14:37, por: cdb

Roberta Lopes
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, reiterou hoje (25) a necessidade de esclarecimento das circunstâncias da morte do secretário de Recursos Humanos da pasta, Duvanier  Paiva Ferreira, na última quinta-feira (19), em Brasília. Segundo a família, Duvanier passou mal e teve o atendimento negado em dois hospitais particulares, porque não tinham convênio com o plano de saúde dele, e morreu quando era socorrido em um terceiro hospital.

“Se for comprovada a omissão, os responsáveis devem ser punidos. Não só porque ele era um  secretário, mas porque essa situação pode acontecer com qualquer cidadão”, disse a ministra, pouco antes do início da missa de sétimo dia da morte de Duvanier, na Catedral Metropolitana de Brasília. 
.
Após a missa, alguns manifestantes exibiram faixas de protesto pela morte do secretário e pediram a apuração do caso. A servidora do Ministério do Planejamento Rosilã Jacques, que trabalhava com Duvanier, disse que ele era uma pessoa humilde e que o ato de protesto era uma forma de alertar as pessoas para este tipo de situação.

“Os primeiros-socorros têm de ser dados, independentemente de a pessoa procurar um hospital da rede privada ou pública. Queremos alertar sobre essa discriminação por a pessoa não ter, naquela hora, um talão de cheques”, afirmou Rosilã.
.
Hoje à noite, em São Paulo, haverá missa, mandada celebrar pela morte família do secretário.

De acordo com denúncia publicada pelo Correio Braziliense, o secretário procurou os hospitais Santa Lúcia e Santa Luzia, mas não foi atendido porque seu plano de saúde não era aceito pelas instituições. Segundo o jornal, para atendê-lo, os hospitais exigiram um cheque-caução ou pagamento em dinheiro, mas, como ele estava sem o talonário e sem dinheiro, o atendimento foi recusado. Socorrido no Hospital Planalto, o secretário não resistiu ao infarto.

Edição: Nádia Franco