Ministra prevê que plano de combate a mudanças climáticas pode ser necessário

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 27 de fevereiro de 2007 as 20:36, por: cdb

Um conjunto de estudos sobre o impacto das mudanças climáticas nos ecossistemas brasileiros foi divulgado nesta terça-feira pelo Ministério do Meio Ambiente. O levantamento revela perspectivas preocupantes de aumento no nível do mar e da temperatura média do país.

Depois de apresentar os dados, a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, defendeu que o governo planeje suas políticas considerando os diferentes cenários, utilizando as informações e a tecnologia atualmente disponíveis.

Ela sugeriu a união de diferentes setores do governo para atuar no problema do aquecimento global, a exemplo do que teria ocorrido em relação ao desmatamento da Amazônia.

Ao todo, foram divulgadas nesta terça oito pesquisas sobre mudanças climáticas e seus efeitos sobre a biodiversidade brasileira. Realizado pelo cientista José Marengo, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), um dos estudos mostra que Amazônia e Pantanal são as regiões mais vulneráveis do país à mudança de clima. O Semi-Árido é a região onde a população estará mais sensível às mudanças climáticas.

Em relação ao nível do mar, o estudo observou uma tendência de aumento do nível do mar da ordem de 40 centímetros por século ou quatro milímetros por ano. As conseqüências desse possível aumento poderão atingir as cidades litorâneas e 25% da população brasileira, ou seja, 42 milhões de pessoas que vivem na zona costeira, sendo que a cidade do Rio de Janeiro é uma das mais vulneráveis, juntamente com a Ilha do Marajó.

Em relação à temperatura, a pesquisa diz que o aumento da temperatura média no ar pode chegar até 4 graus acima da média em 2100, sendo que na Amazônia a temperatura pode subir até 8 graus. O estudo fala ainda da probabilidade de maior redução de chuvas na Amazônia e no Nordeste.