Ministério da Saúde quebra outra patente do coquetel anti-HIV

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de agosto de 2001 as 22:26, por: cdb

O ministro da Saúde, José Serra, anunciou nesta quarta-feira que o Brasil não irá respeitar a patente para produção de certos remédios usados no tratamento da Aids.

Serra afirmou que o primeiro desses medicamentos será o nelfinavir, equivalente do Viracept, cuja patente pertence ao laboratório Roche. O ministro defende a produção local desses medicamentos.

O ministro anunciou ainda que os laboratórios que produzirem remédios que estão com embalagem “maquiada”, “como o Atroveran”, citou, serão punidos pela Vigilância Sanitária. “Por mais que os laboratórios achem, o país não é de trouxas”, declarou Serra.

O Brasil vinha pressionando o laboratório suíço Roche para reduzir o preço de sua droga anti-Aids ou enfrentar a competição de uma cópia local. O laboratório estatal Far-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), conseguiu concluir recentemente o processo de cópia do remédio.

Segundo Serra, o governo gasta US$ 320 milhões anuais, dos quais US$ 88 milhões são só com o medicamento anti-Aids da Roche.

A fabricação do remédio no Brasil ficará a cargo a partir de agora com o laboratório Far-Manguinhos, da Fiocruz, com um custo 40% menor, segundo o ministro.

Esse remédio é um dos 12 que compõem o coquetel da Aids.